sicnot

Perfil

Mundo

"Política do medo" ameaça direitos humanos no mundo, alerta Human Rights Watch

O medo do terrorismo incentivou diversos países a reverterem ações tomadas em prol da preservação dos direitos humanos, salienta o 26.ª relatório mundial divulgado pela Human Rights Watch (HRW) nesta quarta-feira.

reuters

Kenneth Roth, diretor daquela Organização Não Governamental (ONG), explica que a chamada "política do medo" alimentada pelos ataques terroristas e a crise de refugiados na Europa em 2015, incentivou os governos ocidentais a aprovarem restrições que colocaram em causa o direto à privacidade dos cidadãos.

Na sua análise, Roth salienta que os Estados Unidos usaram a ameaça do terrorismo para reverter restrições impostas aos serviços secretos que se envolvem em ações de vigilância em massa.

"O Reino Unido e a França também têm procurado expandir as suas competências de controlo. Isso prejudica significativamente o direito à privacidade, sem qualquer aumento demonstrado na capacidade de conter o terrorismo", diz o especialista.

Citando os ataques de radicais islâmicos na Europa, Roth argumenta que os agressores eram conhecidos pelas autoridades locais, mas a polícia estava sobrecarregada para dar seguimento a uma investigação.

Por isso, considera que não seria necessário aprovar leis que permitem o acesso aos dados particulares dos cidadãos para limitar este tipo de ataque.

Segundo o relatório, a "política do medo" também estaria sendo imposta em nações classificadas pela HRW como autoritárias, entre elas a Rússia e a China, que teriam reprimido duramente elementos de movimentos sociais e advogados ativistas no ano passado.

Outro ponto relevante do levantamento são as críticas às ações tomadas pelos líderes europeus perante o aumento do fluxo de refugiados da Síria.

"A maioria dos requerentes de asilo tem pouca escolha além de arriscar as suas vidas em barcos frágeis no mar para chegar à Europa. Esse facto teria criado uma situação caótica que pretensos terroristas podem facilmente explorar", salientou.

Para conter o problema, o HRW defende a formulação de um plano seguro e ordenado para os refugiados fazerem seu caminho até a Europa, que reduziria o número de vidas perdidas e ajudaria os funcionários da imigração a filtrarem os riscos de segurança.

Apesar do retrocesso registado no ano passado, a HRW também identificou ações favoráveis aos direitos humanos, como a aprovação de leis que garantiram os direitos da comunidade lésbicas, gays, bissexuais e transgéneros (LGBT).

Entre os exemplos expostos estão a descriminalização da homossexualidade em Moçambique e a legalização do casamento homossexual na Irlanda, México e nos Estados Unidos.

Em paralelo ao panorama global, o relatório anual da HRW inclui dados locais e uma série de comentários sobre as práticas de direitos humanos em mais de 90 países.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.