sicnot

Perfil

Mundo

Viúva de Litvinenko reúne-se com ministra do Interior britânica na quinta-feira

A viúva do ex-espião russo Alexander Litvinenko, envenenado em Londres em 2006, vai reunir-se na quinta-feira com a ministra do Interior do Reino Unido, Theresa May, para "conversações privadas", anunciou esta quarta-feira uma porta-voz governamental.

A viúva do ex-espião russo Alexander Litvinenko, Marina Litvinenko.

A viúva do ex-espião russo Alexander Litvinenko, Marina Litvinenko.

© Toby Melville / Reuters

Marina Litvinenko encontra-se com May uma semana depois da divulgação das conclusões da investigação pública, realizada pelo juiz Robert Owen, às circunstâncias da morte do ex-agente do FSB (serviço de informações russo, que sucedeu ao KGB).

Quando revelou os resultados das suas investigações, no passado dia 21, o magistrado considerou que o Presidente russo, Vladimir Putin, "provavelmente" deu a autorização final para o assassínio de Litvinenko.

O documento gerou tensões diplomáticas entre o Reino Unido e a Federação Russa, ao mesmo tempo que May considerou as conclusões da investigação como "profundamente inquietantes".

A porta-voz acrescentou que "a ministra do Interior deixou claro que se vai reunir com Marina Litvinenko e escutar muito atentamente o que esta tem para dizer".

Acrescentou também que o Ministério não vai dar detalhes do que classificou como um "encontro privado".

Depois de se conhecerem as conclusões da investigação sobre o caso Litvinenko, a viúva do ex-agente fez um apelo ao primeiro-ministro britânico, David Cameron, instando-o a impor "sanções dirigidas e interdição de viagem aos indivíduos mencionados" no relatório judicial, "incluindo o senhor Putin".

O juiz Owen considerou que a operação para matar Litvinenko em Londres foi planeada pelo Serviço Federal de Segurança (FSB, na sigla em Russo) e aprovada depois provavelmente por Putin.

O ex-agente faleceu em 23 de novembro de 2006 num hospital da capital britânica, depois de ter sido envenenado com a substância radioativa polónio 210, que foi misturada no chá que bebeu no bar do hotel Millenium, de Londres, em 01 de novembro de esse ano.

Lusa

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.