sicnot

Perfil

Mundo

Viúva de Litvinenko reúne-se com ministra do Interior britânica na quinta-feira

A viúva do ex-espião russo Alexander Litvinenko, envenenado em Londres em 2006, vai reunir-se na quinta-feira com a ministra do Interior do Reino Unido, Theresa May, para "conversações privadas", anunciou esta quarta-feira uma porta-voz governamental.

A viúva do ex-espião russo Alexander Litvinenko, Marina Litvinenko.

A viúva do ex-espião russo Alexander Litvinenko, Marina Litvinenko.

© Toby Melville / Reuters

Marina Litvinenko encontra-se com May uma semana depois da divulgação das conclusões da investigação pública, realizada pelo juiz Robert Owen, às circunstâncias da morte do ex-agente do FSB (serviço de informações russo, que sucedeu ao KGB).

Quando revelou os resultados das suas investigações, no passado dia 21, o magistrado considerou que o Presidente russo, Vladimir Putin, "provavelmente" deu a autorização final para o assassínio de Litvinenko.

O documento gerou tensões diplomáticas entre o Reino Unido e a Federação Russa, ao mesmo tempo que May considerou as conclusões da investigação como "profundamente inquietantes".

A porta-voz acrescentou que "a ministra do Interior deixou claro que se vai reunir com Marina Litvinenko e escutar muito atentamente o que esta tem para dizer".

Acrescentou também que o Ministério não vai dar detalhes do que classificou como um "encontro privado".

Depois de se conhecerem as conclusões da investigação sobre o caso Litvinenko, a viúva do ex-agente fez um apelo ao primeiro-ministro britânico, David Cameron, instando-o a impor "sanções dirigidas e interdição de viagem aos indivíduos mencionados" no relatório judicial, "incluindo o senhor Putin".

O juiz Owen considerou que a operação para matar Litvinenko em Londres foi planeada pelo Serviço Federal de Segurança (FSB, na sigla em Russo) e aprovada depois provavelmente por Putin.

O ex-agente faleceu em 23 de novembro de 2006 num hospital da capital britânica, depois de ter sido envenenado com a substância radioativa polónio 210, que foi misturada no chá que bebeu no bar do hotel Millenium, de Londres, em 01 de novembro de esse ano.

Lusa

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.