sicnot

Perfil

Mundo

António Guterres vai ser homenageado por Universidade do Canadá

O ex-primeiro-ministro português António Guterres vai ser homenageado na sexta-feira pela Universidade de Carleton, em Otava, no Canadá, pelo seu papel na "proteção dos refugiados", anunciou hoje a instituição.

António Guterres

António Guterres

© Denis Balibouse / Reuters

"A Universidade de Carleton vai atribuir, no dia 29 de janeiro um grau honorário a António Guterres, que foi durante uma década alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados", refere a instituição, num comunicado enviado à agência Lusa.

Segundo a mesma nota, será atribuído ao ex-primeiro-ministro o grau "Doutor Honoris Causa" num "reconhecimento à sua liderança na proteção dos refugiados em termos globais".

A cerimónia tem lugar pelas 15:00 locais (20:00 em Lisboa) de sexta-feira, na Senate Chamber da Universidade de Carleton, em Otava.

Antes, pelas 9:15 (14:15 de Lisboa), António Guterres vai participar no "Fórum Otava 2016", num painel com o tema "Pessoas Deslocadas e o seu Efeito na Estabilidade Global", uma iniciativa do Centro de Estudos Internacionais da Universidade de Otava e da organização não governamental Canadá 2020.

A assembleia-geral das Nações Unidas elegeu António Guterres, em maio de 2015, como alto comissário para os Refugiados, liderando uma das maiores organizações mundiais, com nove mil elementos na sua equipa, em 123 países, dando assistência a cerca de 46 milhões de refugiados, repatriados, deslocados e apátridos.

António Guterres cessou funções como alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados em dezembro de 2015.

Na semana passada, o Governo português anunciou que vai apresentar a candidatura de António Guterres a secretário-geral das Nações Unidas, sublinhando que se trata de "um imperativo".

Na quarta-feira, a Presidência da República anunciou que o ex-primeiro-ministro será condecorado com a Grã-Cuz da Ordem da Liberdade, cerimónia que se vai realizar na terça-feira, no Palácio de Belém, em Lisboa.

Depois de cessar funções como primeiro-ministro, António Guterres foi condecorado pelo então Presidente da República Jorge Sampaio com a Grã-Cruz da Ordem de Cristo.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combnate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.