sicnot

Perfil

Mundo

Donald Trump proíbe jornalistas internacionais de cobrirem campanha nos EUA

O candidato presidencial norte-americano Donald Trump proibiu a agência fotográfica EPA, de que a Lusa é associada, e outros 'media' internacionais, de cobrir ações de campanha alegando razões de falta de espaço e segurança.

Donald Trump

Donald Trump

© Brian Snyder / Reuters

"Durante as primárias para a corrida presidencial, a campanha de Donald J. Trump reconhece completamente e respeita os meios de comunicação internacionais, mas devido a locais de campanha diferentes, espaços para os meios de comunicação e segurança, temos de limitar o número de meios de comunicação credenciados e dar prioridade aos nossos 'media' nacionais e locais", lê-se numa missiva enviada à EPA, a agência europeia de fotografia, de que a Lusa faz parte.

De acordo com uma mensagem de correio eletrónico enviado pela EPA aos seus associados, também a agência de notícias France Presse e a agência fotográfica Getty foram impedidas de estar presentes nos eventos dos últimos dias, assim como vários jornalistas japoneses e suecos.

"Os colegas dos Estados Unidos vão manter-nos informados sobre se esta recusa da campanha de Trump persiste nos próximos dias", indica a EPA, concluindo que "se isto persistir terá de haver um esforço conjunto dos meios de comunicação impedidos de fazer a cobertura para protestar contra esta recusa".

  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.