sicnot

Perfil

Mundo

Sudão reabre fronteira com Sudão do Sul

O presidente sudanês, Omar al-Bashir, ordenou a reabertura da contestada fronteira com o Sudão do Sul, encerrada desde a independência deste país em 2011, informou hoje a agência de notícias oficial sudanesa.

As autoridades condicionaram a abertura dos postos fronteiriços à expulsão pelo Sudão do Sul dos rebeldes do Movimento Popular de Libertação do Sudão -- Setor Norte (MPLS-SN), que segundo Cartum estavam a ser protegidos pelo governo de Juba.

A decisão de Bashir ocorreu alguns dias depois de o presidente do Sudão do Sul, Salva Kiir, ter anunciado o seu desejo de normalizar as relações com Cartum, nomeadamente ativando as comissões conjuntas criadas depois da independência, e ordenado às tropas para recuarem da fronteira comum aos dois Estados.

O encerramento da fronteira entre os dois países piorou a situação económica das províncias sul-sudanesas do norte, como o Alto Nilo e Unidade, cujo rendimento tem por base principalmente a exportação de combustíveis e produtos alimentares para o Sudão.

Além das dificuldades económicas, o Sudão do Sul vive em guerra civil desde 2013, que já causou centenas de milhares de mortos e obrigou mais de dois milhões a abandonarem as suas casas.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.