sicnot

Perfil

Mundo

Polícia prende dois dos mafiosos mais procurados de Itália

A polícia italiana prendeu dois dos mais procurados mafiosos de Itália. Giuseppe Ferraro, de 47 anos, e Giuseppe Crea, de 37, viviam numa gruta no meio do mato na zona montanhosa de Reggio Calábria, no sul de Itália.

Giuseppe Ferraro, de 47 anos, um dos mafiosos mais procurados de Itália.

Giuseppe Ferraro, de 47 anos, um dos mafiosos mais procurados de Itália.

© Handout . / Reuters

Os dois chefes da Ndrangheta, a poderosa máfia calabresa, dirigiam ações criminosas a partir da cave onde tinham armas e outro tipo de material e equipamentos que usavam para preparar crimes. Eram considerados violentos.

Ferraro tem um passado de deliquência e cadastro por homicídio. Estava sinalizado pela polícia há 18 anos. Já Giuseppe Crea estava fugido há 10 anos.

  • Eurogrupo dá luz verde ao Orçamento do Estado
    0:29

    Orçamento do Estado 2017

    O Orçamento português passou no Eurogrupo mas os ministros das Finanças alertam que podem ser precisas mais medidas para cumprir as metas e em março vão voltar a olhar para as contas. Para já, estão satisfeitos com o compromisso assumido por Mário Centeno e mais sete ministros da zona euro, cujos Orçamentos estão em risco de incumprimento.

  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados".Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade. A SIC esteve em Luanda e falou com o advogado Adolfo Campos e com os músicos Carbono Casimiro, Mona Dya Kidi e David Salei. Já todos estiveram presos. Já todos foram vítimas de violência policial. Defendem que "a geração anterior comprometeu o país" e acreditam que só a mudança política pode trazer um futuro melhor. Para estes jovens activistas, a guerra que arrasou o país, e com que o regime justifica tudo, não deixou heróis, apenas "vilões e vítimas".

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59