sicnot

Perfil

Mundo

Milhares manifestaram-se em Barcelona contra a independência

Vários milhares de pessoas concentraram-se hoje na praça de Sant Jaume, em frente ao Palau de la Generalitat (sede do governo regional catalão), para se manifestar contra o programa independentista do governo daquela comunidade autónoma espanhola.

© Albert Gea / Reuters (Arquivo)

A concentração foi convocada pela Sociedad Civil Catalana (organização que fez campanha contra o processo independentista) e pelo Partido Popular (PP) da Catalunha e tinha como objetivo rejeitar o "roadmap" do governo regional da Catalunha, que pretende instaurar uma República catalã independente no prazo de 18 meses.

"Estamos aqui esta manhã para denunciar a perversão democrática de um governo, controlado por Carles Puigdemont [atual presidente] e Oriol Junqueras [líder da Esquerda Republicana Catalana, companheira de coligação] que finalmente reconhece que o separatismo não tem maioria social para culminar a promessa de separação unilateral que estava no programa eleitoral da Junts pel Sí", declarou o vice-presidente da Sociedad Civil Catalana, Joaquim Coll, num discurso à multidão.

A coligação Junts pel Sí (Convergència Democràtica da Catalunya, Esquerra Republicana Catalana, Omnium e outros grupos da sociedade civil) ganhou as eleições regionais da Catalunha de 27 de setembro, mas sem maioria absoluta, pelo que dependeu do partido de extrema-esquerda radical CUP para eleger um presidente regional. Ambas as formações consideravam as eleições regionais como um plebiscito à independências, mas em conjunto não tiveram mais de 50% dos votos populares.

Por isso mesmo a CUP declarou que não tinha maioria social para uma declaração unilateral de independência. A Junts pel Sí e a CUP avançaram com uma resolução de início do processo de independência no parlamento, mas a CUP rejeitou o nome de Artur Mas para presidente, aceitando depois o de Carles Puigdemont.

A multidão concentrada hoje na praça de Sant Jaume - uma das mais emblemáticas de Barcelona - gritaram palavras de ordem como "Não ao processo, sim ao progresso", "Viva Espanha, Viva Catalunha", "Não à independência", "Europa Unida jamais será vencida" e "Já votámos, vocês fracassaram".

As forças que se opõem à independência da Catalunha dizem defender o triplo estatuto dos catalães "Catalães, espanhóis e europeus" e dizem que se a região autodeclarar a sua soberania sairá da União Europeia. Os defensores do "Procés" [Processo] dizem que a Europa não pode expulsar da UE uma região que já faz parte da comunidade e que tem um orçamento superior ao de muitos pequenos Estados-membros.

A praça de Sant Jaume encheu-se assim de bandeiras espanholas, bandeiras oficiais da Catalunha (a "Senyera", não a "Estelada" independentista) e muitas bandeiras da União Europeia. O ato terminou com o "Hino da Alegria", o hino da União Europeia.

Lusa

  • Os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa
    1:55

    Football Leaks

    Com o escândalo dos agentes de futebol a dar que falar, o Expresso revela este sábado os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa. O nome da empresa de que é administrador, a Energy Soccer, surge na investigação em transferências de jogadores que envolvem o Futebol Clube do Porto num conflito de interesses.

  • A história da guerra em Alepo
    7:43
  • Uma "cidade fantasma" na Letónia
    3:10