sicnot

Perfil

Mundo

Milhares manifestaram-se em Barcelona contra a independência

Vários milhares de pessoas concentraram-se hoje na praça de Sant Jaume, em frente ao Palau de la Generalitat (sede do governo regional catalão), para se manifestar contra o programa independentista do governo daquela comunidade autónoma espanhola.

© Albert Gea / Reuters (Arquivo)

A concentração foi convocada pela Sociedad Civil Catalana (organização que fez campanha contra o processo independentista) e pelo Partido Popular (PP) da Catalunha e tinha como objetivo rejeitar o "roadmap" do governo regional da Catalunha, que pretende instaurar uma República catalã independente no prazo de 18 meses.

"Estamos aqui esta manhã para denunciar a perversão democrática de um governo, controlado por Carles Puigdemont [atual presidente] e Oriol Junqueras [líder da Esquerda Republicana Catalana, companheira de coligação] que finalmente reconhece que o separatismo não tem maioria social para culminar a promessa de separação unilateral que estava no programa eleitoral da Junts pel Sí", declarou o vice-presidente da Sociedad Civil Catalana, Joaquim Coll, num discurso à multidão.

A coligação Junts pel Sí (Convergència Democràtica da Catalunya, Esquerra Republicana Catalana, Omnium e outros grupos da sociedade civil) ganhou as eleições regionais da Catalunha de 27 de setembro, mas sem maioria absoluta, pelo que dependeu do partido de extrema-esquerda radical CUP para eleger um presidente regional. Ambas as formações consideravam as eleições regionais como um plebiscito à independências, mas em conjunto não tiveram mais de 50% dos votos populares.

Por isso mesmo a CUP declarou que não tinha maioria social para uma declaração unilateral de independência. A Junts pel Sí e a CUP avançaram com uma resolução de início do processo de independência no parlamento, mas a CUP rejeitou o nome de Artur Mas para presidente, aceitando depois o de Carles Puigdemont.

A multidão concentrada hoje na praça de Sant Jaume - uma das mais emblemáticas de Barcelona - gritaram palavras de ordem como "Não ao processo, sim ao progresso", "Viva Espanha, Viva Catalunha", "Não à independência", "Europa Unida jamais será vencida" e "Já votámos, vocês fracassaram".

As forças que se opõem à independência da Catalunha dizem defender o triplo estatuto dos catalães "Catalães, espanhóis e europeus" e dizem que se a região autodeclarar a sua soberania sairá da União Europeia. Os defensores do "Procés" [Processo] dizem que a Europa não pode expulsar da UE uma região que já faz parte da comunidade e que tem um orçamento superior ao de muitos pequenos Estados-membros.

A praça de Sant Jaume encheu-se assim de bandeiras espanholas, bandeiras oficiais da Catalunha (a "Senyera", não a "Estelada" independentista) e muitas bandeiras da União Europeia. O ato terminou com o "Hino da Alegria", o hino da União Europeia.

Lusa

  • Trump desafia Oprah a candidatar-se para ser "derrotada como todos os outros"

    Mundo

    Apesar de Oprah Winfrey ter excluído uma eventual candidatura às eleições presidenciais dos Estados Unidos da América, Donald Trump ainda não se esqueceu dos rumores e desafiou a apresentadora a candidatar-se em 2020. Através do Twitter, o Presidente norte-americano disse ainda que assim poderia ser "exposta e derrotada como todos os outros".

    SIC

  • Mulher enterrada viva no Brasil
    1:13

    Mundo

    Uma mulher de 37 anos terá sido enterrada viva no oeste da Bahia, no Brasil. A certidão de óbito aponta um choque séptico como a causa da morte, mas os ferimentos com que foi encontrada no interior do caixão indicam um possível erro. Os moradores de casas vizinhas do cemitério municipal onde Rosângela dos Santos foi enterrada ouviram gritos vindos do túmulo.

  • António Guterres, "o governante mais amado desde sempre em democracia"
    2:27

    País

    António Guterres foi distinguido com o grau de honoris causa pela Universidade de Lisboa. A cerimónia decorreu esta manhã e contou com a presença do Presidente da República e do primeiro-ministro. Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou que Guterres foi o governante mais amado da democracia portuguesa.