sicnot

Perfil

Mundo

Al-Qaeda implanta-se sem resistência em localidade do sudeste do Iémen

Combatentes da Al-Qaeda no Iémen, aproveitando o conflito no país, implantaram-se sem resistência numa localidade da província de Chabwa (sudeste), indicou hoje um responsável local e chefes tribais.

reuters

Homens armados ergueram pontos de controlo no interior e em torno da localidade de Azzan, que se encontra numa estrada que liga a cidade de Ataq, capital de Chabwa, à de Moukalla, capital da vasta província de Hadramout, nas mãos da Al-Qaeda desde abril do ano passado.

Segundo essas fontes, citadas pela agência AFP, a bandeira da Al-Qaida foi colocada nomeadamente em edifícios públicos.

"O Estado está ausente e não é de estranhar que este vazio tenha sido preenchido pela Al-Qaida", comentou um responsável local sob a condição de anonimato.

Segundo chefes tribais, grande parte dos combatentes que se instalaram em Azzan são originários dessa mesma localidade.

A Al-Qaeda encontra-se tradicionalmente bem implantada no sul e sudeste do Iémen. A organização terrorista beneficiou da contestação contra o regime do antigo Presidente Ali Abdallah Saleh para se reforçar depois de 2011.

O conflito que opõe o governo do Presidente Abd Rabbo Mansur Hadi aos rebeldes xiitas huthis, que dura desde março de 2015, serviu igualmente para fortalecer a sua vantagem no sul e sudeste do país.

Os combatentes da Al-Qaida controlam desde abril último Moukalla, importante cidade portuária e berço da família do falecido Osama bin Laden, fundador da rede extremista sunita, e agem quase abertamente em Áden, cidade do sul declarada como a "capital provisória do Iémen" pelos partidários de Hadi.

A Al-Qaeda enfrenta, porém, cada vez mais, a 'concorrência' por parte do grupo extremista Estado Islâmico, que reivindicou nos últimos meses a autoria de inúmeros atentados em Áden.

  • Oceanário de Lisboa dá formação sobre impacto da acumulação de plásticos nos oceanos
    2:37
  • Trump e Netanyahu discutiram "ameaças que o Irão coloca"

    Mundo

    O novo Presidente norte-americano, Donald Trump, e o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, debateram "as ameaças que o Irão coloca" e concordaram que a paz israelo-palestiniana só pode ser "negociada diretamente", anunciou este domingo a Casa Branca.