sicnot

Perfil

Mundo

Israel avisa Hamas que vai responder em força a agressões

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, avisou no domingo o movimento islâmico palestiniano Hamas de que atacará com "muita força" se o grupo desencadear agressões contra Israel recorrendo a túneis, como afirmaram vários dos seus dirigentes, adiantou a agência EFE.

© Amir Cohen / Reuters

"Estamos a trabalhar de forma metódica e fria contra todas as ameaças, incluindo a do Hamas, e a adotar medidas quer defensivas, quer ofensivas", disse Netanyahu numa conferência na Chancelaria israelita, diante de embaixadores e chefes de missões diplomáticas de Israel no mundo.

O Hamas e o seu braço armado, as brigadas Ezzedine al-Qassam, usam túneis para entrar ilegalmente no Egito e em Israel e atacar povoações. As forças armadas egípcias e israelitas destruíram vários túneis nos últimos dois anos.

O chefe do Governo advertiu: "Se nos atacarem com túneis em Gaza, vamos atuar com muita força contra o Hamas".

O governante ameaçou ainda que a resposta "terá muito mais intensidade do que a última operação" israelita lançada na Faixa de Gaza, no verão de 2014.

"Creio que isto é entendido na região e no mundo, e espero que não seja necessário que [o Hamas] nos ponha à prova", declarou.

A imprensa israelita publicou recentemente, citando diferentes fontes da segurança, que o Hamas tinha reconstruído os túneis destruídos por Israel durante a guerra no verão de 2014, e estava novamente pronto para um confronto militar.

As declarações de Netanyahu acontecem numa altura em que o Hamas crispou o discurso, o que já foi contestado este fim de semana pelo secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, que disse sentir-se "alarmado" pela intenção do grupo islâmico de continuar a construir túneis e a disparar 'rockets' contra Israel.

No domingo, o porta-voz do Hamas em Gaza, Sami Abu Zuhri, assegurou que "esses túneis são defensivos para proteger a Faixa de Gaza" e que "os comentários de Ban Ki-moon contradizem o direito internacional e mostram uma posição parcial a favor da ocupação israelita".

Lusa

  • Tecnologia e inovação levam Moedas a Israel e Palestina
    4:50

    SIC Europa

    O responsável pela área da Ciência na União Europeia, Carlos Moedas, esteve de visita a Israel e à Palestina. Israel já participou em 3 mil e 200 projectos europeus e é um destacado colaborador no campo cientifico. Em Ramallah, Moedas convidou o governo palestiniano a aumentar a participação no programa Horizonte 2020. O correspondente da SIC Henrique Cymerman acompanhou essa visita.

  • Kikas faz história
    1:22
  • Madonna está outra vez em Lisboa 😲
    0:59
  • Nove fatores que aumentam o risco de demência

    Mundo

    Um em cada três casos de demência podia ter sido evitado sem recorrer a medicamentos. Um estudo publicado na revista científica The Lancet explica como é possível evitar a demência e quais os fatores que contribuem para a doença.

  • Hindus pedem a troca de nome da cerveja brasileira Brahma

    Mundo

    Um grupo de hindus pediu a mudança da marca de cerveja Brahma, propriedade da multinacional cervejeira Anheuser-Busch InBev, com sede em Lovaina, na Bélgica, argumentando que é inapropriado uma bebida alcoólica ter o nome que um deus hindu.

  • Manuais oferecidos aos alunos do 1.º ano não podem ser reutilizados
    2:42

    País

    As escolas querem que sejam devolvidos aos alunos os manuais do 1.ºo ano que foram dados gratuitamente pelo Estado para serem reutilizados nos próximos anos. A Associação de Diretores de Agrupamentos diz que os livros estão praticamente todos em bom estado, mas da forma como são feitos pelas editoras é impossível voltar a usá-los. As escolas querem que o Executivo chegue a um entendimento com as editoras para conceber manuais reutilizáveis.

  • Portugal com 3.ª maior dívida pública da UE

    Economia

    A dívida pública recuou, em termos homólogos, na zona euro e na União Europeia (UE), no primeiro trimestre, tendo Portugal registado a terceira maior dos 28 (130,5%), depois da Grécia e de Itália, divulga hoje o Eurostat.