sicnot

Perfil

Mundo

Presidente ucraniano diz que Rússia continua a enviar tropas para o leste do país

O Presidente ucraniano, Petro Poroshenko, acusou hoje Moscovo de continuar a enviar tropas e armas para o conflito separatista no leste da Ucrânia, advertindo que o acordo de cessar-fogo negociado não está a ser plenamente cumprido.

(Arquivo/Reuters)

(Arquivo/Reuters)

© Alexander Ermochenko / Reuter

"É terrível que após o acordo de Minsk (...) continuamos a enfrentar graves problemas de segurança em Donbass", disse Petro Poroshenko, numa referência à região ucraniana pró-russa separatista, durante uma deslocação a Berlim, onde se encontrou com a chanceler alemã, Angela Merkel.

Em fevereiro de 2015, Kiev e Moscovo assinaram um acordo de cessar-fogo, mediado pela França e pela Alemanha, em Minsk, capital da Bielorrússia. Um ano depois, confrontos esporádicos ainda são registados na linha da frente do conflito.

O chefe de Estado ucraniano acusou igualmente Moscovo de bloquear o acesso dos observadores internacionais da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) a todas as zonas do conflito separatista.

"Não é surpreendente, porque a Rússia continua a enviar tropas, armamento pesado e munições para Donbass, e não querem ter testemunhas dessas atividades", disse Poroshenko, ao lado de Merkel.

O Presidente ucraniano frisou que Kiev não pode ser o único lado a cumprir os acordos de Minsk, que incluíam um cessar-fogo e reformas na Ucrânia.

"Só o restrito respeito dos acordos de paz vai criar as condições para a adoção de decisões políticas difíceis mas necessárias pelo Parlamento ucraniano", afirmou Poroshenko, numa aparente referência ao projeto de autonomia para o leste da Ucrânia.

Esta é uma das matérias mais sensíveis para o Presidente ucraniano. Em agosto último, uma primeira votação no Parlamento sobre este assunto provocou graves tumultos, que levaram à morte de quatro polícias.

Ao lado de Poroshenko, a chanceler alemã recordou que os acordos de Minsk previam um cessar-fogo duradouro, o acesso dos observadores da OSCE a todas as zonas e reformas na Ucrânia.

"Infelizmente, ainda não temos um cessar-fogo duradouro", afirmou Merkel.

A chanceler também enfatizou que as sanções económicas impostas à Rússia só serão levantadas quando cumpridos os acordos assinados em fevereiro de 2015.

"Ainda não chegamos a essa fase", concluiu Merkel.

Moscovo e Kiev estão envolvidos numa crise sem precedentes desde que as forças pró-ocidentais chegaram ao poder na Ucrânia no início de 2014.

A situação entre os dois países agravou-se com a anexação russa da península da Crimeia, concretizada após um referendo fortemente contestado, e com o conflito com os separatistas pró-russos, grande parte nostálgicos da época da antiga União Soviética, na região leste da Ucrânia.

O conflito no leste ucraniano, o mais sangrento na Europa desde a guerra dos Balcãs na década de 1990, já fez mais de 9.000 mortos e cerca de 20 mil feridos desde abril de 2014, segundo as Nações Unidas.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.