sicnot

Perfil

Mundo

Cameron admite progressos por parte de Bruxelas sobre reformas da UE

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, considerou esta terça-feira que a proposta apresentada em Bruxelas sobre as reformas da União Europeia (UE) proporciona a "mudança substancial" que Londres procura, mas lembrou que "há trabalho por fazer".

O primeiro-ministro britânico, David Cameron.

O primeiro-ministro britânico, David Cameron.

© POOL New / Reuters

Depois de vários dias de intensas negociações entre Cameron e os líderes institucionais europeus, o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, pôs hoje sob a mesa um possível plano que contempla concessões ao Reino Unido, para que seja alcançado um acordo na cimeira da União Europeia (UE) que se realizará entre 18 e 19 de fevereiro.

Depois de ser aprovado pelos 28 países-membros da UE, Cameron poderia convocar o referendo que prometeu sobre a permanência ou não do Reino Unido no seio do espaço comunitário, no próximo mês de junho, provavelmente no dia 23, segundo os órgãos de comunicação social britânicos.

O líder conservador David Cameron, que vai informar na quarta-feira de manhã o parlamento sobre a sua resposta ao documento, qualificou hoje o texto como "um verdadeiro progresso".

O ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, Philip Hammond, por sua vez, referiu não acreditar que os restantes países-membros da UE venham a opor-se ao documento apresentado por Donald Tusk, se bem que tenha lembrado que "o acordo final tem de ser aceite pelos líderes da UE".

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras