sicnot

Perfil

Mundo

Explosão inexplicada em escola secundária na Suécia

Uma "forte explosão" ocorreu esta terça-feira à tarde numa escola secundária da cidade de Karlstad, no centro da Suécia, indicou a polícia, acrescentando que não conseguiu ainda identificar a causa.

Os serviços de emergência foram enviados para o local, todos os edifícios da zona foram evacuados e não há notícia de feridos.

Os serviços de emergência foram enviados para o local, todos os edifícios da zona foram evacuados e não há notícia de feridos.

© TT News Agency / Reuters

O alerta foi dado pelas 15:00 locais (14:00 de Lisboa) quando pessoas que se encontravam na zona da Tingvallagymnasiet disseram ter ouvido uma explosão e depois viram uma grande coluna de fumo a sair do telhado da escola.

Testemunhas indicaram igualmente ter visto dois homens a afastar-se correndo.

"Houve uma enorme explosão, as janelas e parte das paredes começaram a abanar", afirmou a diretora da escola, Christine Holmberg, ao tabloide sueco Aftonbladet.

Os serviços de emergência foram enviados para o local, todos os edifícios da zona foram evacuados e não há notícia de feridos.

"Estamos a tentar reconstituir o que aconteceu", disse o porta-voz da polícia regional, Stefan Wickberg, ao jornal on-line The Local.

Segundo Wickberg, a potência da explosão fez disparar alarmes de viaturas estacionadas na zona e os agentes policiais estavam a recolher diversos depoimentos para apurar exatamente o que aconteceu.

Pelas 16:40 locais (15:40 de Lisboa), o serviço de bombeiros e emergências indicou que a sua equipa e também a polícia tinham abandonado o local.

"Não conseguimos encontrar uma explicação. A nossa teoria é que alguém fez explodir alguma coisa que não deixou vestígios. Ninguém ficou ferido", escreveu o serviço na sua página da rede social Facebook.

A escola é a mais antiga de Karlstad, datando do século XIX, segundo o seu site da internet. Os alunos que a frequentam têm entre 15 e 19 anos.

Lusa

  • Paula Brito e Costa continua a trabalhar na Raríssimas

    País

    Depois de ter apresentado a demissão do cargo de presidente da Raríssimas, Paula Brito e Costa mantém-se a exercer funções na associação, apurou a SIC. Identifica-se agora como diretora-geral e já comunicou isso mesmo a alguns funcionários.

  • As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

    Pedro Cruz

  • O ano "saboroso" de António Costa
    0:51

    País

    António Costa diz que 2017 foi um ano "saboroso" para Portugal. Num encontro com funcionários portugueses, em Bruxelas, antes do Conselho Europeu desta quinta-feira, o primeiro-ministro realçou o que o país conquistou no último ano, no plano europeu, e que culminou com a eleição de Mário Centeno para a Presidência do Eurogrupo.

  • Lince ibérico esteve à venda no OLX

    País

    Um anúncio de venda de um lince ibérico, por 1.500 euros, foi publicado esta semana no site de classificados OLX, com uma morada de Alcoutim, no Algarve. A autenticidade da publicação não foi confirmada, mas em setembro foi encontrada a coleira de um lince ibérico precisamente em Alcoutim. As autoridades estão a investigar.

    SIC

  • Estabilização dos solos nas áreas ardidas
    1:58

    País

    Está a começar uma intervenção de emergência para estabilizar os solos nas áreas ardidas nos incêndios florestais. O trabalho das equipas que estão no terreno arrancou na zona da Lousã mas vai passar por vários concelhos como Pampilhosa da Serra e Vila Real.