sicnot

Perfil

Mundo

Farmacêutica francesa lança-se na procura por vacina contra vírus Zika

A Sanofi Pasteur, do grupo farmacêutico francês Sanofi, anunciou hoje que se lançou na procura por uma vacina contra o vírus Zika, transmitido por mosquitos e suspeito de provocar malformações congénitas.

reuters

Em comunicado, a Sanofi diz esperar apoiar-se "nos sucessos obtidos no desenvolvimento de vacinas contra vírus idênticos", como a sua vacina contra a dengue, Dengvaxia, recentemente registada.

O Comité de emergência da Organização Mundial de Saúde (OMS) decidiu, na segunda-feira, que os casos de microcefalia e de desordens neurológicas surgidas no Brasil constituem uma emergência sanitária de alcance internacional, mas não o vírus Zika, por não ter sido comprovada relação entre ambos.

A OMS confirmou que, até à data, foram detetados casos em 25 países e territórios das Américas.

"A Sanofi Pasteur respondeu ao apelo mundial para o desenvolvimento de uma vacina contra o vírus Zika, justificado pela rapidez da propagação da doença e pelos riscos e complicações médicas", indicou Nicholas Jackson, diretor de investigação do Sanofi Pasteur, divisão do grupo que ficará responsável pelo novo projeto para a criação de uma vacina.

"Além disso, estão em curso investigações para avaliar a possibilidade de uma outra associação entre a infeção pelo vírus Zika e um problema neurológico grave, o que viria a juntar-se à forte suspeita de malformações congénitas associadas à infeção", afirmou.

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.