sicnot

Perfil

Mundo

Jacques Chirac, o ícone pop para adolescentes

A imagem do ex-presidente conservador francês Jacques Chirac (1995-2007), que se opôs à invasão do Iraque em 2003, transformou-se num ícone de moda 'mainstream' e é uma das preferidas da juventude francesa.

Chirac, de 83 anos, junta-se a uma lista de famosos, cujas imagens são vendidas em 't-shirts' e em outros produtos de consumo, como Albert Einstein, Nikola Tesla, Yuri Gagarin, Elvis Presley, Bob Marley, Che Guevara ou a rainha Isabel II de Inglaterra.

"Não há identificação política neste fascínio atual", afirmou o sociólogo Michel Fieze à cadeia BFMTV.

"Tem um lado Instagram (rede social de partilha de fotografias e pequenos vídeos): vemos Chirac a fumar, a beber, a dançar, a dormir... com uma elegância e grandeza física que não se voltou a ver desde então", explicou ao jornal Le Parisien Mathieu Dozol, autor de um blogue no qual coleciona imagens 'vintage' do ex-presidente.

A ideia partiu de Pierre Blanc que decidiu aliar, em 't-shirts', a frase "Ici c'est la Corrèze" (Aqui é a Corrèze) à imagem de Chirac, natural da província do sudoeste de França.

"Porquê Chirac? Tem um capital de simpatia enorme que supera as discrepâncias políticas. Está despolitizado", afirmou.

A moda - de marcado tom patriótico - criou uma tendência, e outros 'designers' começaram a transformar a imagem de Chirac num clássico contemporâneo.

A marca F.A.U.X. (falso) recuperou imagens do ex-presidente em várias atividades da vida pública: num comício, a fumar, em fotos para uma revista, no metropolitano, com um ramo de flores, entre outras.

"Temos muitas imagens de Chirac em diferentes situações", disse à BFMTV Antoine Delomez, responsável pela linha de 't-shirts' dirigidas a um público de entre 15 e 30 anos, a custar entre 20 e 40 euros.

  • "O que é isto, mamã?"
    36:23
  • O ensino à distância em Portugal
    4:12

    País

    Em Portugal, o ensino básico e secundário à distância já conta com 300 alunos e com a preciosa ajuda das novas tecnologias. É através do computador que a escola viaja e acompanha os alunos, alguns com doenças que não os permitem ir às aulas, outros que são atletas de alta competição e que têm a maior parte do tempo ocupado por treinos ou ainda os que fazem parte de famílias itenerantes, como é o caso dos que vivem no circo e andam de terra em terra.

  • Aprender a jogar badminton ao ritmo do samba
    2:54

    Mundo

    No Brasil, a correspondente da SIC foi conhecer um projeto social no Rio de Janeiro que mistura samba e desporto. Um desporto que ainda é pouco praticado mas que tem sido fundamental para transformar a vida de jovens das favelas e para descobrir novos talentos do badminton brasileiro.

    Correspondente SIC