sicnot

Perfil

Mundo

Jacques Chirac, o ícone pop para adolescentes

A imagem do ex-presidente conservador francês Jacques Chirac (1995-2007), que se opôs à invasão do Iraque em 2003, transformou-se num ícone de moda 'mainstream' e é uma das preferidas da juventude francesa.

Chirac, de 83 anos, junta-se a uma lista de famosos, cujas imagens são vendidas em 't-shirts' e em outros produtos de consumo, como Albert Einstein, Nikola Tesla, Yuri Gagarin, Elvis Presley, Bob Marley, Che Guevara ou a rainha Isabel II de Inglaterra.

"Não há identificação política neste fascínio atual", afirmou o sociólogo Michel Fieze à cadeia BFMTV.

"Tem um lado Instagram (rede social de partilha de fotografias e pequenos vídeos): vemos Chirac a fumar, a beber, a dançar, a dormir... com uma elegância e grandeza física que não se voltou a ver desde então", explicou ao jornal Le Parisien Mathieu Dozol, autor de um blogue no qual coleciona imagens 'vintage' do ex-presidente.

A ideia partiu de Pierre Blanc que decidiu aliar, em 't-shirts', a frase "Ici c'est la Corrèze" (Aqui é a Corrèze) à imagem de Chirac, natural da província do sudoeste de França.

"Porquê Chirac? Tem um capital de simpatia enorme que supera as discrepâncias políticas. Está despolitizado", afirmou.

A moda - de marcado tom patriótico - criou uma tendência, e outros 'designers' começaram a transformar a imagem de Chirac num clássico contemporâneo.

A marca F.A.U.X. (falso) recuperou imagens do ex-presidente em várias atividades da vida pública: num comício, a fumar, em fotos para uma revista, no metropolitano, com um ramo de flores, entre outras.

"Temos muitas imagens de Chirac em diferentes situações", disse à BFMTV Antoine Delomez, responsável pela linha de 't-shirts' dirigidas a um público de entre 15 e 30 anos, a custar entre 20 e 40 euros.

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.