sicnot

Perfil

Mundo

Líder do PSOE "aceita solenemente" convite do Rei de Espanha para formar Governo

O secretário-geral do PSOE, Pedro Sánchez, anunciou hoje que aceitou o convite do Rei de Espanha para formar Governo e "tirar o país" da situação de bloqueio mais de 40 dias após as eleições gerais.

Líder do PSOE, Pedro Sánchez (Reuters)

Líder do PSOE, Pedro Sánchez (Reuters)

© Sergio Perez / Reuters

"Agradeço a confiança depositada em mim e no grupo parlamentar do PSOE pelo chefe de Estado [Felipe VI] e anuncio solenemente que vamos assumir essa responsabilidade e vamos tentar formar governo", disse Sánchez numa conferência de imprensa no Congresso dos Deputados (parlamento espanhol).

Para Sánchez, o PSOE "assume a sua responsabilidade para com Espanha, para que os espanhóis tenham um governo após mais de 40 dias decorridos desde as eleições gerais [a 20 de dezembro]".

O PSOE conseguiu 90 deputados nas eleições gerais, atrás dos 123 do PP de Mariano Rajoy, pelo que terá de fazer acordos com mais de um partido. O Podemos (69 deputados) já lhe propôs formar um governo de coligação (juntamente com os comunistas da Izquierda Unida), mas ainda assim Pedro Sánchez e o PSOE precisariam de apoios adicionais para contrariar o mais que certo voto contra do PP.

O PSOE pretende governar sozinho, mas contando com apoios parlamentares à esquerda (Podemos e Izquierda Unida, entre outros) e à direita (Ciudadanos, centro-direita). No entanto, o Podemos rejeita entrar num Governo com o Ciudadanos, e o Ciudadanos (40 deputados) rejeita apoiar o Podemos.

Sánchez acrescentou que vai iniciar de imediato as negociações para tentar formar governo, mas respeitando sempre a soberania de Espanha. O Podemos defendeu e tem defendido um referendo sobre a independência na Catalunha. Outras forças, nomeadamente as catalãs, defendem a resolução rumo a uma declaração de soberania adotada pelo parlamento catalão.

Lusa

  • MIT quer humanos a ajudar máquinas a decidir (quem morre)

    Mundo

    A "Máquina Moral" é uma plataforma online que recolhe a perspetiva humana em decisões que terão de ser tomadas por uma máquina. Por exemplo, quando um carro sem condutor se depara com o dilema do mal menor: em quem acertar - para evitar outros - num acidente de viação.

  • Daesh transforma drones em bombardeiros 

    Daesh

    As estratégias de combate do Daesh têm vindo a sofrer alterações, bem como a capacidade das forças militares iraquianas para confrontar e derrotar o inimigo. De acordo com o responsável do Exército dos EUA Brett Sylvia, comandante militar no Iraque, a tática mais recente desenvolvida pelo Daesh consiste em usar drones de uso comercial em pequenos bombardeiros, capazes de transportar e lançar granadas.