sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 17.700 pessoas foram assassinadas em 2015 na Venezuela

Mais de 17.700 pessoas foram assassinadas em 2015 na Venezuela, anunciou hoje a Procuradora-Geral da República, apelando ao parlamento para reforçar o desarmamento da população e elaborar um novo Código Penal para prevenir os delitos.

© Carlos Garcia Rawlins / Reute

Luísa Ortega Díaz afirmou que "17.768 pessoas perderam a vida em 2015 por homicídio", durante uma sessão parlamentar em que apresentou um balanço anual da atividade do Ministério Público venezuelano correspondente ao ano passado.

Segundo a procuradora, a taxa de assassinatos no país é de 58,1 homicídios por cada 100 mil pessoas, sendo estes em 82% dos casos cometidos com armas de fogo, um indicador "absolutamente preocupante, porque confirma que existe na Venezuela um grave problema de violência delituosa".

Por outro lado, pediu ao parlamento para inspecionar os organismos de segurança do país, vincando que é "alarmante" o número de funcionários policiais que participam em delitos graves, como o sequestro, o roubo, extorsão, furto de viaturas e narcotráfico".

"Apesar disto, podemos garantir ao país que todos os delitos são tratados por igual pelo Ministério Púbblico, têm a mesma importância e isso permite que haja justiça", declarou.

Segundo Luísa Ortega Díaz, 1.312 polícias foram processados em 2015 por alegadas violações dos Direitos Humanos, dos quais 132 estão presos.

Também que foram registados 29 casos de funcionários envolvidos em torturas e outros 503 em maus tratos a cidadãos.

A procuradora afirmou que o parlamento, de maioria opositora ao Presidente Nicolás Maduro, "é o principal fórum político do país e órgão de expressão da democracia" e insistiu que aquele órgão de soberania deve promover um diálogo para a paz e para o desarmamento da população.

"As armas de fogo aumentam fortemente a ocorrência de homicídios. São instrumentos de alta capacidade letal. O desarmamento da população continua a ser um objetivo que devemos conseguir", vincou a magistrada.

A insegurança é uma das principais queixas dos cidadãos da Venezuela, afetando por igual tanto a nacionais como a estrangeiros radicados no país, entre eles a comunidade portuguesa, que tem cerca de um milhão de pessoas.

Lusa

  • Como não perder Barack e Michelle Obama nas redes sociais

    Mundo

    Sair da Casa Branca implica mais que reunir objetos físicos: é preciso guardar também os tweets, os posts e todo o conteúdo digital produzido nos últimos oito anos pelo Presidente dos EUA e pela primeira-dama. A equipa de Barack Obama já preparou tudo para que nada se perca do seu legado digital.

  • Portugueses querem contratar Obama

    Mundo

    Contratar Barack Obama. Pode parecer uma tarefa impossível, mas para a startup portuguesa Swonkie a única resposta a este desafio é "Yes We Can", mote da campanha presidencial de Obama de há nove anos.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.