sicnot

Perfil

Mundo

Orçamento militar dos EUA para 2017 bate recordes ao atingir 537 milhões de euros

Os Estados Unidos anunciaram hoje um aumento significativo das verbas para despesas militares, destinadas a contrabalançar o poderio russo, a aumentar a presença norte-americana na Europa do Leste e à luta contra o grupo "jihadista" Daesh.

O anúncio foi feito pelo secretário de Estado da Defesa norte-americano, Ashton Carter, que adiantou que o total orçamentado para as despesas militares para o ano fiscal de 2017 será de 583 milhões de dólares (537 milhões de euros).

O montante ultrapassa significativamente o de qualquer outro país, sendo mesmo maior do que os gastos militares dos oito países que se seguem na tabela mundial.

O orçamento inclui 3.400 milhões de dólares (3.100 milhões de euros), verba quatro vezes superior à prevista para 2016, destinados a operações na Europa para combater a "agressão" russa, destacou Carter.

"Vamos reforçar a nossa posição na Europa e apoiar os nossos aliados na NATO (Organização para o Tratado do Atlântico Norte) face às agressões da Rússia", afirmou.

"O montante vai financiar muitas coisas. Haverá maior rotação das forças norte-americanas na Europa e mais treinos e exercícios com os nossos aliados, bem como uma melhor pré-posicionamento para a guerra e melhorias nas infraestruturas para a apoiar", acrescentou o governante norte-americano.

Adicionalmente, os Estados Unidos vão gastar 7.500 milhões de dólares (6.900 milhões de euros) - mais 50% do que em 2016 - para financiar a luta contra o terrorismo, sobretudo contra o EI.

Ashton Carter sublinhou que os 18 meses de esforço na campanha aérea liderada pelos Estados Unidos contra os "jihadistas" na Síria e no Iraque deixaram em rotura o "stock" de bombas existente no país.

"Temos ultimamente atingido o EI com tantas bombas inteligentes, guiadas por GPS, e com tantos mísseis guiados por laser que tivemos de diminuir as que utilizamos contra os terroristas", argumentou Carter.

"Nesse sentido, vamos investir 1.800 milhões de dólares (1.650 milhões de euros) em 2017 para comprar mais de 45.000" bombas e mísseis, indicou.

Carter adiantou ainda que os Estados Unidos vão continuar a investir nas tecnologias do futuro, destacando o "rail-gun" (armamento que dispara projéteis através de energia eletromagnética), capaz de disparar projéteis a uma velocidade ultrassónica, e "enxames" de pequenos "drones" (pequenos aparelhos aéreos não-tripulados).

Com Lusa

  • Primeiro-ministro hoje na cidade da Praia 

    País

    O primeiro-ministro, António Costa, está hoje em Cabo Verde para a a IV cimeira bilateral entre Portugal e aquele país africano, aproveitando a passagem pela cidade da Praia para inaugurar a escola portuguesa.

  • Deputados britânicos debatem hoje petição que desvaloriza visita de Donald Trump

    Mundo

    Os deputados britânicos debatem hoje uma petição que reclama que a futura visita de Estado do Presidente norte-americano, Donald Trump, seja reduzida a uma visita oficial, enquanto dezenas de milhares de pessoas se manifestam sobre o mesmo assunto. Dezenas de milhares de pessoas são esperadas hoje nas ruas de várias cidades do Reino Unido, em protestos organizados para coincidir com a discussão no parlamento (na Câmara dos Comuns) de uma petição 'online' que já tem quase dois milhões de subscritores.

  • Portugal sem resposta de Moçambique sobre português desaparecido em Maputo
    1:25

    País

    Portugal tem tentado, sem sucesso, obter respostas das autoridades moçambicanas sobre o rapto de um empresário português há sete meses. De acordo com a notícia avançada este domingo pelo jornal Público, uma carta enviada há duas semanas pelo Presidente da República ao homólogo moçambicano não teve resposta. O Governo de Moçambique tem ignorado pedidos de informação das autoridades portuguesas.

  • Matteo Renzi demite-se da liderança do Partido Democrático

    Mundo

    O antigo primeiro-ministro italiano Matteo Renzi demitiu-se hoje da liderança do Partido Democrata (PD), uma decisão que faz parte de uma estratégia para retomar o controlo da formação de centro-esquerda, onde uma minoria mais à esquerda ameaça cindir-se.