sicnot

Perfil

Mundo

UE propõe travão para benefícios a migrantes no Reino Unido

A União Europeia (UE) propôs hoje um travão de quatro anos nos benefícios dos migrantes, no âmbito das negociações sobre o denominado Brexit, que prevê a realização dum referendo no Reino Unido sobre a permanência na UE.

reuters

O esboço das propostas da UE consta de uma carta do presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, que escreveu na sua conta da rede social Twitter "ficar ou não ficar junto, essa é a questão".

Na sua proposta para evitar a saída de Londres do espaço comunitário, o responsável europeu avançou com um "mecanismo de salvaguarda" para limitar até quatro anos as ajudas sociais aos migrantes europeus que se instalem no Reino Unido.

O texto prevê um travão nomeadamente para trabalhadores com baixos salários nomeadamente "numa situação excecional" que afete "aspetos essenciais no sistema de segurança social.

Tusk garantiu ainda um "mecanismo" para que os nove países da UE fora da zona euro possam colocar preocupações e recebam as "necessárias garantias" sobre decisões tomadas pelos Estados-membros que utilizam a moeda única.

Porém, este mecanismo "não poderá ser um veto ou constituir um atraso nas decisões urgentes", sublinhou Tusk, que informou que mais pormenores deverão ser discutidos antes da cimeira de chefes de Estado e do Governo dos 28 dentro cerca de duas semanas.

Donald Tusk comentou que esta proposta "vai muito longe" na resposta das preocupações levantadas por Londres.

"A linha que eu não cruzei, porém, foram os princípios sobre os quais o projeto europeu foi fundado", garantiu o polaco, admitindo tratar-se de um "processo difícil" e que, no futuro, ainda há desafios a ultrapassar nas negociações.

"Estou convencido que a proposta é uma boa base para um compromisso", concluiu.

As propostas deverão agora ser discutidas pelos vários países membros da UE.

Por seu lado, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, escreveu no Twitter terem sido alcançados "verdadeiros progressos" nas quatro áreas em discussão, mas "há mais trabalho a fazer

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.

  • Trump acusa o procurador-geral dos EUA de ser fraco
    1:46