sicnot

Perfil

Mundo

Alemanha aprova medidas que tornam país menos atrativo para imigrantes económicos

O governo da Alemanha aprovou hoje um conjunto de medidas, entre elas a redução de benefícios sociais, que pretendem tornar aquele país menos atrativo para os imigrantes económicos.

© Fabrizio Bensch / Reuters

O projeto-lei, aprovado hoje em Conselho de Ministros e que será agora submetido ao Parlamento, foi acordado na semana passada após meses de negociações no seio da coligação governamental alemã composta pelos conservadores da União Democrata-Cristã (CDU), força política da chanceler Angela Merkel, pelos sociais-democratas do SPD e pela CSU da Baviera.

Algumas das medidas foram divulgadas por Berlim na semana passada.

Foi o caso da decisão de classificar a Argélia, Marrocos e a Tunísia como países de origem "seguros", classificação que facilita a rejeição de pedidos de asilo de pessoas daí provenientes.

Os requerentes de asilo oriundos destes países de origem seguros, juntamente com outros requerentes previamente rejeitados e que aguardam uma nova avaliação, vão ser obrigados a ficar em alojamentos dos serviços estatais.

Migrantes que tenham perdido os documentos de identificação, bem como aqueles que representem um "perigo para a segurança e para a ordem pública", também ficam sujeitos a esta condição ao nível do alojamento.

A ideia de centralizar a residência destes migrantes tem como objetivo facilitar a sua provável expulsão do território alemão.

O projeto-lei também prevê que a avaliação do processo de pedido de asilo, bem como dos respetivos recursos, seja encurtada para um período de três semanas.

O texto inclui ainda a redução das ajudas sociais aos requerentes de asilo e a restrição das razões médicas que impedem a expulsão de requerentes que foram rejeitados pelos serviços estatais. Agora só aqueles que sofram de doenças graves e terminais poderão permanecer no país.

Em 2015, a Alemanha, a maior economia da Europa, recebeu cerca de 1,1 milhões de requerentes de asilo.

Com este novo pacote de medidas, Angela Merkel tenta diminuir o fluxo de migrantes que chegam ao território alemão e reduzir o número de prováveis candidatos a asilo.

Apesar da forte pressão da opinião pública e de alguns setores do seu campo político, a chanceler alemã recusa-se a estabelecer um número limite de refugiados que a Alemanha pode receber anualmente.

Lusa

  • Alemanha muda regras para acolhimento de refugiados
    0:34

    Crise Migratória na Europa

    A Alemanha vai impor novas regras para o acolhimento de refugiados e novos critérios para a reunião familiar. Angela Merkel anunciou que os refugiados não vão poder trazer a família de imediato para o país. Em muitos casos vão ter que esperar dois anos. Marrocos, Argélia e Tunísia passam a ser considerados seguros e por isso será mais difícil aos cidadãos destes países conseguirem o pedido de asilo.

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.