sicnot

Perfil

Mundo

Cerca de 3.000 jornalistas assassinados nos últimos 25 anos

Pelo menos 2.297 jornalistas foram assassinados em todo o mundo nos últimos 25 anos, 112 dos quais foram mortos em 2015, indica um relatório da Federação Internacional de Jornalistas (FIJ) divulgado hoje.

© XXSTRINGERXX xxxxx / Reuters

Os dados da FIJ revelam que desde 1990 se registaram 309 assassínios de profissionais da informação no Iraque, 146 nas Filipinas, 120 no México, 115 no Paquistão, 109 na Rússia, 106 na Argélia, 95 na Índia, 75 na Somália, 67 na Síria e 62 no Brasil, os países com mais homicídios de jornalistas.

Por regiões, a Ásia-Pacífico regista o maior número de assassinatos desde 1990 (571), seguida do Médio Oriente (473), América (472), África (424) e Europa (357).

O relatório desta federação mundial de sindicatos de jornalistas indica ainda que o número de jornalistas assassinados não desce abaixo dos três dígitos desde 2010 e que 2006 foi o ano com maior número de assassínios, 155, enquanto 1998 e 2000 registaram o menor número de homicídios, ambos com 37.

Os dados mostram também que os crimes acontecem em todo o mundo e não apenas em zonas de conflito.

Anthony Bellanger, secretário-geral da FIJ, afirmou que muitos jornalistas "são vítimas de funcionários corruptos e de líderes criminosos", assinalando que se registaram "mais assassinatos em situações de paz do que em países em guerra".

Segundo o estudo, apenas uma em cada 10 mortes foi investigada, considerando a FIJ que "a ausência de ação para acabar com a impunidade em relação aos assassinatos e ataques aos profissionais dos meios de comunicação social alimenta a violência contra os mesmos".

Jim Boumelha, presidente da FIJ, declarou num comunicado que o relatório pretende ser igualmente "uma homenagem à coragem e sacrifício de milhares de jornalistas que perderam a vida enquanto cumpriam a missão de informar e formar os cidadãos".

Lusa

  • As primeiras decisões do Presidente Trump
    1:39
  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O diretor de informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Celebridades protestam contra Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Cantora brasileira conhecida pela "Lambada" terá sido assassinada
    1:25

    Mundo

    Terá sido assassinada a cantora brasileira conhecida em Portugal pela "lambada", um ritmo que marcou o fim dos anos 90. Foi encontrada carbonizada dentro do próprio carro depois de assaltada em casa. Três suspeitos suspeitos do homicídio da cantora Loalwa Braz foram já detidos.