sicnot

Perfil

Mundo

Cerca de 3.000 jornalistas assassinados nos últimos 25 anos

Pelo menos 2.297 jornalistas foram assassinados em todo o mundo nos últimos 25 anos, 112 dos quais foram mortos em 2015, indica um relatório da Federação Internacional de Jornalistas (FIJ) divulgado hoje.

© XXSTRINGERXX xxxxx / Reuters

Os dados da FIJ revelam que desde 1990 se registaram 309 assassínios de profissionais da informação no Iraque, 146 nas Filipinas, 120 no México, 115 no Paquistão, 109 na Rússia, 106 na Argélia, 95 na Índia, 75 na Somália, 67 na Síria e 62 no Brasil, os países com mais homicídios de jornalistas.

Por regiões, a Ásia-Pacífico regista o maior número de assassinatos desde 1990 (571), seguida do Médio Oriente (473), América (472), África (424) e Europa (357).

O relatório desta federação mundial de sindicatos de jornalistas indica ainda que o número de jornalistas assassinados não desce abaixo dos três dígitos desde 2010 e que 2006 foi o ano com maior número de assassínios, 155, enquanto 1998 e 2000 registaram o menor número de homicídios, ambos com 37.

Os dados mostram também que os crimes acontecem em todo o mundo e não apenas em zonas de conflito.

Anthony Bellanger, secretário-geral da FIJ, afirmou que muitos jornalistas "são vítimas de funcionários corruptos e de líderes criminosos", assinalando que se registaram "mais assassinatos em situações de paz do que em países em guerra".

Segundo o estudo, apenas uma em cada 10 mortes foi investigada, considerando a FIJ que "a ausência de ação para acabar com a impunidade em relação aos assassinatos e ataques aos profissionais dos meios de comunicação social alimenta a violência contra os mesmos".

Jim Boumelha, presidente da FIJ, declarou num comunicado que o relatório pretende ser igualmente "uma homenagem à coragem e sacrifício de milhares de jornalistas que perderam a vida enquanto cumpriam a missão de informar e formar os cidadãos".

Lusa

  • Aeroporto Cristiano Ronaldo? Nem todos os madeirenses estão de acordo
    2:21
  • Hotel inovador na Madeira
    2:23

    Economia

    O grupo Pestana está a construir no Funchal, um novo e único hotel, através de uma técnica inovadora que quase não utiliza cimento. Este vai ser o primeiro hotel do mundo construído com um sistema modular desenvolvido em Portugal. O hotel vai ter 77 quartos e vai ficar construído em apenas seis meses. O maior grupo hoteleiro português admite recorrer a este novo sistema em futuros hotéis.

  • Fatura da água a dobrar
    2:26

    Economia

    Desde o início do ano que a população de Celorico de Basto está a receber duas faturas da água para pagar. Tanto a Câmara como a Águas do Norte reclamam o direito a cobrar pelo serviço. Contactada pela SIC, a Entidade Reguladora esclarece que o município não pode emitir faturas e tem de devolver o dinheiro.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43

    Daesh

    Há suspeitas de que o Daesh tenha criado uma vala comum com cerca de seis mil corpos a sul de Mossul, no Iraque. A área em redor estará minada. A revelação é de uma equipa de reportagem da televisão britânica Sky News.

  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.