sicnot

Perfil

Mundo

EUA aprovam restrição de levantamento de sanções ao Irão

A Câmara dos Representes dos EUA aprovou na terça-feira um projeto de lei que restringe a capacidade do Presidente norte-americano levantar as sanções ao Irão, apesar de Obama já ter anunciado que vetará a iniciativa.

reuters

Aprovado por 246 votos a favor e 181 contra, o projeto de lei vai subir agora ao Senado, onde não está claro que os republicanos, que controlam a câmara alta, consigam a maioria necessária para aprovar a iniciativa, mas mesmo que assim seja, Barack Obama já anunciou que vetaria a lei.

O texto aprovado pela Câmara dos Representantes é a Lei de Transparência do Financiamento Terrorista no Irão, que contou com o apoio de quase todos os deputados republicanos e a oposição de praticamente todos os democratas.

Trata-se da última tentativa dos conservadores para bloquear a aplicação do acordo alcançado em julho pelo grupo 5+1 (Estados Unidos, Reino Unido, Rússia, China, França, mais a Alemanha) com o Irão, cujo objetivo é controlar as atividades nucleares de Teerão para que não seja capaz de desenvolver uma arma atómica.

A oposição republicana considera que o acordo, uma prioridade na política externa para Obama, é um "mau pacto" que não vai evitar que os iranianos consigam fabricar uma bomba nuclear.

A 16 de janeiro, Obama assinou a ordem executiva para o histórico levantamento das sanções contra o Irão depois de a Agência Internacional da Energia Atómica (AIEA) ter confirmado que Teerão cumpriu as exigências para pôr em marcha o acordo nuclear

  • Atacantes usaram "tática defendida pelos extremistas do Daesh"
    1:43

    Ataque em Barcelona

    O ex-presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo esteve em direto, para a SIC Notícias, onde falou sobre o ataque desta quinta-feira nas Ramblas, em Barcelona. José Manuel Anes falou na tática defendida na revista dos extremistas do Daesh e que foi usada neste ataque: a utilização de viaturas "de preferência as mais pesadas para matar o maior número de pessoas".