sicnot

Perfil

Mundo

EUA executam condenado de 72 anos

O estado norte-americano da Georgia executou hoje o mais velho dos seus condenados no corredor da morte, apesar da mobilização dos seus advogados que denunciaram a injustiça da aplicação tardia da pena capital.

A injeção letal foi aplicada a Brandon Jones numa prisão da cidade de Jackson, a menos de duas semanas de completar 73 anos, indicou um porta-voz da administração penitenciária à agência AFP.

O afro-americano Brandon Jones, que foi condenado por matar um comerciante branco em 1979, passou mais de 36 anos atrás das grades.

Os seus advogados interpuseram na terça-feira os últimos recursos junto da justiça do estado da Georgia e do Supremo Tribunal de Washington para protelar a execução, os quais foram indeferidos.

Para muitos, o destino daquele homem simboliza a "dupla pena" à qual são submetidos certos condenados nos Estados Unidos, que passam décadas presos com a única perspetiva de que a sua morte irá chegar.

Num parecer datado do ano passado, o juiz do Supremo Stephen Breyer denunciou a longa duração que desafia a razão e que prejudica o fundamento punitivo da pena capital.

Especialistas afirmam ainda que inúmeros detidos no corredor da morte condenados numa altura em que não podiam dispor de um sistema de defesa satisfatória e que, julgados pelos mesmos feitos atualmente, escapariam à pena de morte.

Este caso "levanta a questão da proporcionalidade e da aplicação discriminatória da pena de morte", apontou o Centro de Informação sobre a Pena Capital (DPIC).

Brandon Jones e um cúmplice, identificado como Van Solomon, roubaram uma estação de serviço quando foram confrontados com o gerente, que foi morto a tiro.

Brandon Jones negou ter sido ele a disparar e as autoridades nunca determinaram quem atirou.

Van Solomon, também negro, morreu na cadeira elétrica em 1995.

Brandon Jones chegou a ver o seu processo anulado, mas voltou a ser condenado à morte.

Durante as décadas na prisão, lia muito e ficou conhecido pelos seus escritos sobre a vida no cárcere e as questões raciais.

Setenta e cinco pessoas encontram-se atualmente no corredor da morte na Georgia, sudeste dos Estados Unidos, estado que suspendeu por vários meses em 2015 as execuções devido à controvérsia em torno do produto utilizado nas injeções letais.

Os Estados Unidos executaram 28 pessoas no ano passado, o número mais baixo desde 1991.

Lusa

  • O papel da religião no quotidiano
    24:57
  • Jane Goodall iniciou palestra com sons semelhantes aos dos chimpanzés
    2:18

    País

    A investigadora Jane Goodall esteve esta quinta-feira em Lisboa para participar numa conferência da National Geographic. A primatóloga começou o seu discurso com sons semelhantes aos dos chimpanzés. Numa entrevista à SIC, Goodall falou sobre os chimpanzés e sobre o trabalho que continua a desenvolver em todo o mundo, em prol do ambiente, dos animais e das pessoas. 

  • NATO vai aumentar luta contra o terrorismo

    Mundo

    O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, disse que os aliados da NATO concordaram esta quinta-feira em aumentar a luta contra o terrorismo e em "investir mais e melhor" na Aliança.

  • Trump empurra líder do Montenegro para ficar à frente na fotografia

    Mundo

    A reunião de líderes dos Estados-membros da NATO, que decorreu esta quinta-feira em Bruxelas, na Bélgica, ficou marcada por um momento insólito em que o Presidente norte-americano não quis abdicar de ficar no melhor plano possível nas fotografias de grupo. Nem que para isso tenha sido necessário empurar o líder de outro país.

  • O humor de John Kerry nas críticas a Trump
    0:40

    Mundo

    John Kerry criticou as ligações de Donald Trump com a Rússia durante um discurso de abertura, na Universidade de Harvard. O ex-secretário de Estado norte-americano disse, em tom de brincadeira, que se os jovens querem vingar na política, devem primeiro aprender a falar russo.