sicnot

Perfil

Mundo

EUA executam condenado de 72 anos

O estado norte-americano da Georgia executou hoje o mais velho dos seus condenados no corredor da morte, apesar da mobilização dos seus advogados que denunciaram a injustiça da aplicação tardia da pena capital.

A injeção letal foi aplicada a Brandon Jones numa prisão da cidade de Jackson, a menos de duas semanas de completar 73 anos, indicou um porta-voz da administração penitenciária à agência AFP.

O afro-americano Brandon Jones, que foi condenado por matar um comerciante branco em 1979, passou mais de 36 anos atrás das grades.

Os seus advogados interpuseram na terça-feira os últimos recursos junto da justiça do estado da Georgia e do Supremo Tribunal de Washington para protelar a execução, os quais foram indeferidos.

Para muitos, o destino daquele homem simboliza a "dupla pena" à qual são submetidos certos condenados nos Estados Unidos, que passam décadas presos com a única perspetiva de que a sua morte irá chegar.

Num parecer datado do ano passado, o juiz do Supremo Stephen Breyer denunciou a longa duração que desafia a razão e que prejudica o fundamento punitivo da pena capital.

Especialistas afirmam ainda que inúmeros detidos no corredor da morte condenados numa altura em que não podiam dispor de um sistema de defesa satisfatória e que, julgados pelos mesmos feitos atualmente, escapariam à pena de morte.

Este caso "levanta a questão da proporcionalidade e da aplicação discriminatória da pena de morte", apontou o Centro de Informação sobre a Pena Capital (DPIC).

Brandon Jones e um cúmplice, identificado como Van Solomon, roubaram uma estação de serviço quando foram confrontados com o gerente, que foi morto a tiro.

Brandon Jones negou ter sido ele a disparar e as autoridades nunca determinaram quem atirou.

Van Solomon, também negro, morreu na cadeira elétrica em 1995.

Brandon Jones chegou a ver o seu processo anulado, mas voltou a ser condenado à morte.

Durante as décadas na prisão, lia muito e ficou conhecido pelos seus escritos sobre a vida no cárcere e as questões raciais.

Setenta e cinco pessoas encontram-se atualmente no corredor da morte na Georgia, sudeste dos Estados Unidos, estado que suspendeu por vários meses em 2015 as execuções devido à controvérsia em torno do produto utilizado nas injeções letais.

Os Estados Unidos executaram 28 pessoas no ano passado, o número mais baixo desde 1991.

Lusa

  • Cinco mil trabalhadores da PT manifestaram-se em Lisboa
    3:55

    Economia

    Perto de cinco mil trabalhadores da PT manifestaram-se esta sexta-feira, em Lisboa. Os números são avançados pelos sindicatos. Os trabalhadores contestam a transferência de funcionários para empresas parceiras da Altice e outras empresas do grupo, sem as mesmas garantias e direitos. A Altice garante que as transferências são legais mas alguns funcionários já levaram o caso a tribunal.

  • Uma viagem aérea pela Lagoa Negra
    1:02
  • Videovigilância regista impacto de sismo na Grécia

    Mundo

    Um sismo de magnitude 6.7 atingiu na quinta-feira o mar Egeu e causou pelo menos dois mortos e mais de 200 feridos. O momento e o impacto causado pelo abalo foram registados através de uma câmara de videovigilância de um café, na ilha grega de Kos, um dos locais mais afetados.

  • A sátira a Sean Spicer no Saturday Night Live
    1:36

    Mundo

    O estilo de Sean Spicer foi controverso desde o início. A relação conflituosa do ex-assessor da Casa Branca com os jornalistas foi muitas vezes satirizada na comunicação social. Um exemplo é um momento do Saturday Night Live, protagonizado pela atriz Meliissa McCarthy.

  • Músico indiano toca guitarra durante cirurgia ao cérebro

    Mundo

    Abhishek Prasad foi submetido a uma cirurgia ao cérebro esta quinta-feira, num hospital na cidade indiana de Bangalore, após anos e anos a sofrer de dolorosos espasmos nas mãos. O insólito do caso foi que o músico indiano teve de tocar guitarra para ajudar os médicos durante a intervenção cirúrgica.