sicnot

Perfil

Mundo

EUA executam condenado de 72 anos

O estado norte-americano da Georgia executou hoje o mais velho dos seus condenados no corredor da morte, apesar da mobilização dos seus advogados que denunciaram a injustiça da aplicação tardia da pena capital.

A injeção letal foi aplicada a Brandon Jones numa prisão da cidade de Jackson, a menos de duas semanas de completar 73 anos, indicou um porta-voz da administração penitenciária à agência AFP.

O afro-americano Brandon Jones, que foi condenado por matar um comerciante branco em 1979, passou mais de 36 anos atrás das grades.

Os seus advogados interpuseram na terça-feira os últimos recursos junto da justiça do estado da Georgia e do Supremo Tribunal de Washington para protelar a execução, os quais foram indeferidos.

Para muitos, o destino daquele homem simboliza a "dupla pena" à qual são submetidos certos condenados nos Estados Unidos, que passam décadas presos com a única perspetiva de que a sua morte irá chegar.

Num parecer datado do ano passado, o juiz do Supremo Stephen Breyer denunciou a longa duração que desafia a razão e que prejudica o fundamento punitivo da pena capital.

Especialistas afirmam ainda que inúmeros detidos no corredor da morte condenados numa altura em que não podiam dispor de um sistema de defesa satisfatória e que, julgados pelos mesmos feitos atualmente, escapariam à pena de morte.

Este caso "levanta a questão da proporcionalidade e da aplicação discriminatória da pena de morte", apontou o Centro de Informação sobre a Pena Capital (DPIC).

Brandon Jones e um cúmplice, identificado como Van Solomon, roubaram uma estação de serviço quando foram confrontados com o gerente, que foi morto a tiro.

Brandon Jones negou ter sido ele a disparar e as autoridades nunca determinaram quem atirou.

Van Solomon, também negro, morreu na cadeira elétrica em 1995.

Brandon Jones chegou a ver o seu processo anulado, mas voltou a ser condenado à morte.

Durante as décadas na prisão, lia muito e ficou conhecido pelos seus escritos sobre a vida no cárcere e as questões raciais.

Setenta e cinco pessoas encontram-se atualmente no corredor da morte na Georgia, sudeste dos Estados Unidos, estado que suspendeu por vários meses em 2015 as execuções devido à controvérsia em torno do produto utilizado nas injeções letais.

Os Estados Unidos executaram 28 pessoas no ano passado, o número mais baixo desde 1991.

Lusa

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.