sicnot

Perfil

Mundo

Polónia reabre investigação a queda de avião presidencial

O ministério da Defesa polaco vai nomear nomeia na quinta-feira uma comissão para reabrir a investigação ao acidente aéreo na Rússia onde em 2010 se despenhou o avião presidencial polaco, matando os 96 ocupantes, incluindo o chefe de Estado.

Mikhail Metzel

O porta-voz da Defesa, Bartlomiej Misiewicz, anunciou hoje à imprensa que o ato de reabertura da investigação contará previsivelmente com a presença de alguns dos familiares das vítimas mortais do acidente.

O atual ministro da Defesa, Antoni Macierewicz, é um dos políticos do partido no poder, Lei e Justiça, que mais insistiram em que a causa da queda do avião presidencial polaco foi um engenho explosivo -- hipótese afastada nas diversas investigações realizadas -- e não apenas as más condições meteorológicas.

A 10 de abril de 2010, o avião despenhou-se quando pretendia aterrar no aeródromo russo de Smolensk, de onde a comitiva presidencial se dirigiria por terra a uma cerimónia no cemitério de Katyn.

Perderam a vida todos os ocupantes do aparelho, entre os quais o então Presidente da Polónia, Lech Kaczynski, a mulher, e grande parte da cúpula militar, eclesiástica e política do país, próxima do partido nacionalista conservador Lei e Justiça.

Devido ao espesso nevoeiro daquela manhã, as autoridades russas ofereceram aos pilotos a hipótese de aterrar noutro aeroporto, mas a oferta foi recusada.

Um relatório elaborado por especialistas polacos revelou uma série de erros tanto do lado polaco como dos funcionários russos da torre de controlo, ao passo que o relatório de Moscovo elaborado nas mesmas datas atribuiu toda a culpa aos polacos.

Ambas as investigações descartaram a hipótese de uma explosão como causa do acidente e concordaram que o avião voava demasiado baixo devido à falta de visibilidade provocada pela névoa, quando uma asa embateu em árvores e levou ao despenhamento.

O partido Lei e Justiça, que ganhou as eleições gerais de outubro passado, prometeu durante a campanha reabrir a investigação sobre o acidente e sugeriu que Donald Tusk, então primeiro-ministro polaco e atual presidente do Conselho Europeu, deveria sentar-se no banco dos réus pela sua atuação negligente.

A 27 de janeiro deste ano, um tribunal de Varsóvia decidiu reabrir o processo contra cinco funcionários polacos, entre os quais o ex-embaixador da Polónia em Espanha, Tomasz Arabski, que serão julgados por negligência na preparação da viagem do avião presidencial polaco.

O processo estava arquivado depois de, em 2014, o ministério público de Varsóvia ter rejeitado o pedido apresentado por 11 familiares de vítimas do acidente, alegando que não encontrava provas de atuação negligente.

Lusa

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Salah Abdeslam deixa cadeira vazia na leitura da sua sentença
    2:05

    Mundo

    O único suspeito vivo dos ataques de Paris em 2015 foi esta segunda-feira condenado a 20 anos de prisão por um tribunal belga, num processo paralelo: um tiroteio em março de 2016, em Bruxelas. Tanto Salah Abdeslam como o cúmplice não quiseram estar na leitura da sentença. O julgamento de Salah Abdeslam pelos ataques de Paris só deverá acontecer no próximo ano, em França.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.