sicnot

Perfil

Mundo

Quem é o Loser.com?

Nas primárias de ontem no Iowa, declarou-se muito "honrado" com o segundo lugar. Hoje, é a face de Loser.com. Donald Trump queixa-se de uma cobertura jornalística "injusta".

reuters

Brian Connelly é o proprietrário do domínio Loser.com, que redireciona para sites de personalidades de quem não gosta. Começou nos anos 90, quando comprou o domínio e manipulava contas de email.

Agora, utiliza-o para apontar a alvos como Reddit, Kanye West, Charlie Sheen, e agora Donald Trump.

"A razão pela qual fiz isto é porque não podemos ter um xenófobo como Presidente. Eu e a minha mulher estávamos assarampatados com os ataques de Trump aos muçulmanos. O medo não é uma boa plataforma", explica.

Connelly, consultor técnico da Carolina do Sul, diz que já direcionou o site para Trump em meados de dezembro, mas só agora o feito ganhou notoriedade, após as primárias no Iowa.

Ainda ninguém apareceu, entretanto, para tentar comprar o domínio, diz, apesar de já ter acontecido no passado.

"Já tive ofertas na ordem dos 100 mil dólares", conta.

Trump não reagiu diretamente à ligação a Loser.com. Declarou, ontem, na sua conta do Twitter, que os media não têm feito uma cobertura "justa".

O termo "loser" (falhado, derrotado) é um dos chavões de Trump. O candidato republicano à corrida presidencial usa-o frequentemente contra quem não gosta ou desrespeita.

  • A Verdade sobre a Mentira
    35:13
  • Elemento dos Super Dragões com medida de coação mais gravosa
    1:37

    Desporto

    Os seis arguidos da Operação Jogo Duplo, que investiga crimes de corrupção e viciação de resultados na II Liga de futebol, saíram em liberdade. A medida de coação mais gravosa é para um membro da claque Super Dragões, que terá de pagar uma caução de 5 mil euros.

  • Mais de 120 pessoas com hepatite A
    2:23

    País

    O surto de hepatite A já infetou 128 pessoas, 60 das quais estão internadas em hospitais de Lisboa e Coimbra. A Direção-Geral da saúde recomenda a vacinação apenas aos familiares dos doentes. Apesar de não haver ruptura de stocks, há farmácias que não têm vacinas.

  • Sobreviventes de Mossul relatam mutilações e execuções do Daesh
    1:32