sicnot

Perfil

Mundo

Centros comerciais venezuelanos obrigados a gerar eletricidade própria

O ministro de Energia Elétrica da Venezuela anunciou hoje que a seca provocada pelo fenómeno climático El Niño diminuiu os níveis de água das barragens e ordenou que os centros comerciais do país gerem a sua própria eletricidade.

© Carlos Garcia Rawlins / Reute

Segundo o ministro Luís Motta Domínguez, a partir de 10 de fevereiro, os centros comerciais estão obrigados a instalar geradores que devem funcionar entre das 13:00 às 15:00 horas e das 19:00 às 21:00 horas.

"Estamos a viver uma época de crise energética devido ao fenómeno El Niño. As barragens que abastecem as centrais hidroelétricas estão com indicadores (do nível de água) muito baixos. Não é uma questão de capricho", disse o governante aos jornalistas.

Luís Motta Domínguez apelou aos consumidores para fazerem um uso racional e eficiente de energia e anunciou que estão a ser tomadas medidas para contornar a conjuntura climatérica.

"A ideia é evitar que continuem a descer o nível das águas nas barragens, especialmente no Guri (a principal do país). Os grandes utilizadores estão obrigados a instalar geradores elétricos e assim gerar o seu próprio consumo", frisou.

Segundo o ministro, a medida é de caráter temporário, com uma duração de três meses.

Por outro lado, recomendou aos consumidores domésticos que "otimizem" o uso de aparelhos elétricos, cozinhas, secadores de roupa e de cabelo, aquecedores de água e ferros de engomar.

Também que ajustem o ar condicionado a 23º centígrados, que desliguem os carregadores de telemóveis, computadores, fornos de micro-ondas, televisores e outros aparelhos elétricos, quando não estes estiverem em uso.

Lusa

  • O poder da linguagem corporal nos tribunais
    9:12
  • Fomos conhecer o novo Samsung S8
    1:42

    Mundo

    Depois da crise dos telemóveis Samsung Note 7 com bateria defeituosa que podia explodir, a marca tinha que lançar um aparelho inovador. O S8 foi anunciado esta quarta-feira em Londres. O repórter da SIC, Lourenço Medeiros, foi ver como é.

    Enviado SIC