sicnot

Perfil

Mundo

Líderes mundiais reúnem-se para angariar fundos para a Síria

Dirigentes do mundo inteiro reúnem-se hoje para juntar nove mil milhões de dólares destinados aos 18 milhões de sírios vítimas da guerra e deter a crise dos refugiados que, do Médio Oriente à Europa, paira sobre os países de acolhimento.

(Arquivo/Reuters)

(Arquivo/Reuters)

© Omar Sanadiki / Reuters

Organizada pela ONU, Reino Unido, Kuweit, Noruega e Alemanha, esta conferência de doadores, a quarta do género - agora em Londres -, visa responder ao pedido de angariação de 7,73 mil milhões de dólares feito pelas Nações Unidas, ao qual se juntam 1,23 mil milhões de dólares para ajuda aos países da região.

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, vai receber mais de 70 responsáveis internacionais, entre os quais a chanceler alemã, Angela Merkel, o ministro dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva, e o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, e também representantes de organizações não-governamentais e do setor privado.

Desencadeado em março de 2011 por manifestações pacíficas contra o regime do Presidente sírio, Bashar al-Assad, o conflito na Síria fez mais de 260.000 mortos e provocou uma grave crise humanitária, com cerca de 13,5 milhões de pessoas em situação de vulnerabilidade ou deslocadas, em território nacional.

Esta complexa guerra com múltiplos atores obrigou igualmente 4,6 milhões de sírios a procurar refúgio nos países vizinhos (Jordânia, Líbano, Turquia, Iraque e Egito), ao passo que centenas de milhares se dirigiram para a Europa, arriscando muitas vezes a vida.

Do pequeno Aylan afogado que deu à costa numa praia turca, à morte por inanição de Ali, de 16 anos, na localidade síria cercada de Madaya, os últimos meses expuseram aos olhos do mundo a violência do conflito e das suas consequências para os civis.

Para responder ao drama sírio, os doadores deverão agora abrir os cordões às bolsas, mas também "chegar a acordo sobre ações concretas", explicou David Cameron, referindo-se à criação de empregos para os refugiados instalados nos países vizinhos da Síria.

"Não é apenas no interesse da Síria e dos seus vizinhos, é também no interesse dos países europeus. Quanto mais ajudarmos as pessoas a ficarem na região, menos probabilidades haverá de elas virem para a Europa", sublinhou.

Para tal, Cameron propõe facilitar as trocas comerciais entre a Jordânia e a União Europeia e impor um mínimo de trabalhadores sírios em alguns setores.

Do lado da Alemanha, o teor do discurso é o mesmo, assim como o objetivo, numa altura em que Merkel vê a sua popularidade cair por ter vestido a camisola de protetora dos refugiados.

"A longo prazo, a educação e o trabalho devem contribuir (...) para deter o fluxo de refugiados com destino à Europa", considerou o ministro dos Negócios Estrangeiros alemão, Frank-Walter Steinmeier.

Estas medidas deverão igualmente ter em conta o crescente ressentimento dos autóctones que vivem lado a lado com os refugiados.

"A angústia e a vulnerabilidade crescente dos refugiados sírios e a perceção cada vez maior nas comunidades de acolhimento de que os refugiados constituem uma ameaça aos seus próprios meios de subsistência representam um dos maiores riscos para a estabilidade da região", frisa um relatório do Plano de Ajuda Regional aos Refugiados e à Resistência (3RP).

O rei Abdallah II da Jordânia, que estará hoje em Londres, disse já que o seu país, que acolheu cerca de 630.000 refugiados, segundo os números do Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), "não pode continuar assim".

"Mais cedo ou mais tarde, penso que o dique vai ceder", declarou à estação televisiva britânica BBC, acrescentando que espera que a comunidade internacional retifique a estratégia e aumente "a ajuda e o apoio" ao seu país e aos países vizinhos.

A conferência, que decorre uma semana após a abertura das negociações de paz em Genebra, centrar-se-á também nas dificuldades de encaminhamento da ajuda em território sírio e na educação.

"São necessários esforços urgentes para salvar esta geração de crianças", disse o diretor regional da UNICEF para o Médio Oriente e a África do Norte, Peter Salama.

"É uma corrida contra o tempo", alertou, porque a guerra já deixou sem escola 700.000 crianças.

Lusa

  • Trump convida Putin a visitar EUA

    Mundo

    O Presidente dos EUA, Donald Trump convidou o homólogo russo a visitar a Casa Branca e Vladimir Putin ter-se-á mostrado disponível a visitar o país em breve, segundo a agência de notícia russa RIA Novosti que cita o chefe da diplomacia de Moscovo.

  • Fim de semana com chuva e descida da temperatura

    País

    A chuva regressa hoje a Portugal continental e permanece pelo menos até ao início da semana, prevendo-se ainda uma descida da temperatura máxima entre 04 a 06 graus Celsius, disse à Lusa a meteorologista Cristina Simões.

  • Hoje é notícia 

    País

    O PSD leva a debate parlamentar a reprogramação do atual quadro comunitário, desafiando os partidos a pronunciarem-se sobre a proposta inicial do Governo, que considera "não servir o país". Os parceiros sociais e o Governo reúnem-se na Concertação Social para discutirem o Programa Nacional de Reformas. O Sporting de Braga procura alcançar o Sporting no 3º lugar da I Liga, ao defrontar o Marítimo na abertura da 31.ª jornada.

  • 45 anos de Partido Socialista
    3:31

    País

    O PS completou 45 anos esta quinta-feira. Acaso ou não, a festa aconteceu um dia depois de terem ficado concluídos dois acordos com o PSD que fazem renascer o debate sobre o posicionamento ideológico do partido socialista.

  • Senado aprova à tangente novo diretor da NASA

    Mundo

    O Senado norte-americano aprovou na quinta-feira, à tangente, a nomeação do novo diretor da agência espacial norte-americana, com 50 votos favoráveis contra 49, colocando à frente da NASA um cético das alterações climáticas, adiantou a Efe.

  • Trocar a economia pela dança
    7:21
    Mudar de Vida

    Mudar de Vida

    5ª FEIRA NO JORNAL DA NOITE

    No "Mudar de Vida" desta quinta-feira damos a conhecer mais um caso de quem teve coragem de arriscar e procurar um novo futuro. Susana Moraes é uma economista que decidiu seguir a paixão pela dança. 

  • Mágico comove audiência do Britain's Got Talent com a história de cancro da mulher e da filha
    5:16
  • "Por vezes até as princesas da Disney ficam apavoradas"

    Mundo

    A atriz norte-americana Patti Murin foi esta semana elogiada nas redes sociais por se preocupar com a sua saúde mental e não ter problemas em falar sobre o assunto. A artista faltou a um espetáculo da Disney, onde ia atuar, devido a um ataque de ansiedade.

    SIC