sicnot

Perfil

Mundo

Marine Le Pen ganha prémio de político mentiroso do ano em França

Marine Le Pen, líder do partido de extrema-direita francês Frente Nacional, recebeu hoje o prémio de político mentiroso do ano em França, pelo acumulado de "afirmações falsas" sobre os imigrantes e o 'jihadismo'.

© Yves Herman / Reuters

Criado por iniciativa do politólogo Thomas Guénolé e com um júri composto por elementos especializados em verificar informações, o prémio visa incentivar a classe política francesa a mentir menos, sensibilizar quem faz jornalismo na área da política para a importância de confirmar os factos e alertar as pessoas para que se assegurem da veracidade do que é dito.

Os membros do júri destacaram os exageros de Le Pen sobre a amplitude do fluxo de refugiados que chegam à União Europeia (UE), que na terça-feira Marine disse serem 4.500 por dia, quando na verdade rondam os 330.

Também foram tidas em consideração as suas declarações sobre o género dos imigrantes, pois a líder da Frente Nacional afirmou, no início de setembro passado, que os homens constituíam 99%, corrigindo dias depois o número para 75%, quando o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados aponta para 69%.

À filha de Jean-Marie Le Pen é igualmente atribuída a afirmação de que o ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, teria dito a uma estação de rádio que preconizar a 'jihad' (guerra santa) não era um crime, algo que o governante nunca disse.

O anterior vencedor do prémio foi o ex-Presidente francês Nicolas Sarkozy.

Lusa

  • Lince ibérico esteve à venda no OLX

    País

    Um anúncio de venda de um lince ibérico, por 1.500 euros, foi publicado esta semana no site de classificados OLX, com uma morada de Alcoutim, no Algarve. A autenticidade da publicação não foi confirmada, mas em setembro foi encontrada a coleira de um lince ibérico precisamente em Alcoutim. As autoridades estão a investigar.

    SIC

  • "O futuro da Autoeuropa não está em causa"
    0:43

    Economia

    O secretário de Estado do Trabalho apelou a que os partidos não se intrometam nas negociações entre os trabalhadores e a administração da Autoeuropa. Em entrevista à Edição da Noite da SIC Notícias, Miguel Cabrita afastou a hipótese de estar em causa o encerramento da fábrica de Palmela.