sicnot

Perfil

Mundo

Milhares de sírios enfrentam frio e chuva para fugir a ataque russo a Aleppo

Milhares de sírios enfrentaram este sábado o frio e a chuva na fronteira com a Turquia depois de fugirem de um ataque russo a Aleppo, no Norte da Síria, que ameaça tornar-se num desastre humanitário.

Dezenas de milhares de pessoas fugiram dos combates das forças do Governo com os rebeldes, cortando a principal rota de abastecimento para Aleppo.

Dezenas de milhares de pessoas fugiram dos combates das forças do Governo com os rebeldes, cortando a principal rota de abastecimento para Aleppo.

© Abdalrhman Ismail / Reuters

O Governo sírio avisou que os soldados estrangeiros que entrem no país podem regressar a casa "num caixão de madeira". O aviso surgiu depois de notícias que davam conta que a Turquia e a Arábia Saudita, apoiantes das forças rebeldes, poderão enviar tropas para a Síria.

Dezenas de milhares de pessoas fugiram dos combates das forças do Governo com os rebeldes, cortando a principal rota de abastecimento para Aleppo.

A fronteira turca de Oncupinar manteve-se hoje encerrada.

O governador de Kilis, província turca na fronteira, Suleyman Tapsiz, disse que pelo menos 70 mil pessoas se dirigiam para a fronteira e que os deslocados estavam a ser acomodados em oito campos no lado sírio.

A Turquia, onde já habitam entre dois e 2,5 milhões de sírios, pode tomar conta de 30 a 35 mil refugiados na Síria, disse o governador.

O ministro dos Negócios Estrangeiros turco, Mevlut Cavusoglu, afirmou que a Turquia iria manter "a sua política de fronteiras abertas" para os refugiados sírios.

"Mantemos esta política para as pessoas que estão a fugir de agressões, do regime e dos ataques aéreos da Rússia", referiu.

O governante lembrou que a Turquia já recebeu cinco mil. "Mais 50 ou 55 mil estão a caminho e não podemos deixá-los ficar lá", disse.

Lusa

  • "Só numa ditadura é possível tentar esconder o número de vítimas"
    0:51

    Tragédia em Pedrógão Grande

    O primeiro-ministro diz que é "lamentável" a tentativa de aproveitamento político à volta dos incêndios. António Costa esteve esta quarta-feira à tarde na Autoridade Nacional de Proteção Civil e, no final do briefing, disse que é preciso confiança nas instituições do Estado. O primeiro-ministro deixou ainda muitas críticas à oposição no caso da lista de vítimas de Pedrógão Grande.

  • Sociedade de Pneumologia recomenda cuidados com calor e incêndios

    País

    A Sociedade Portuguesa de Pneumologia (SPP) alertou esta quarta-feira para os riscos respiratórios decorrentes dos incêndios e temperaturas elevadas, sobretudo para quem sofre de doenças crónicas, propondo medidas preventivas e recordando o aumento de mortalidade associado ao calor.

  • E os 10 mais ricos de Portugal são...

    Economia

    A família Amorim lidera a lista dos mais ricos do país, com uma fortuna avaliada em 3840 milhões de euros. Em segundo lugar surge Alexandre Soares dos Santos com 2532 milhões de euros. A família Guimarães de Mello ainda entra para o top 3, com um valor de 1471 milhões de euros. A lista foi elaborada pela revista EXAME, que conclui que os ricos estão ainda mais ricos, pela quarta vez consecutiva.

    Bárbara Ferreira

  • "Estou grávida! Estou a morrer!"
    1:14
  • Mulher vive sozinha numa ilha há 40 anos

    Mundo

    Zoe Lucas é a única pessoa a viver numa ilha canadiana, no norte do Atlântico. Nas últimas quatro décadas, a mulher de 67 tem partilhado a ilha Sable com cerca de 400 cavalos selvagens e 350 espécies de pássaros.