sicnot

Perfil

Mundo

Milhares de sírios enfrentam frio e chuva para fugir a ataque russo a Aleppo

Milhares de sírios enfrentaram este sábado o frio e a chuva na fronteira com a Turquia depois de fugirem de um ataque russo a Aleppo, no Norte da Síria, que ameaça tornar-se num desastre humanitário.

Dezenas de milhares de pessoas fugiram dos combates das forças do Governo com os rebeldes, cortando a principal rota de abastecimento para Aleppo.

Dezenas de milhares de pessoas fugiram dos combates das forças do Governo com os rebeldes, cortando a principal rota de abastecimento para Aleppo.

© Abdalrhman Ismail / Reuters

O Governo sírio avisou que os soldados estrangeiros que entrem no país podem regressar a casa "num caixão de madeira". O aviso surgiu depois de notícias que davam conta que a Turquia e a Arábia Saudita, apoiantes das forças rebeldes, poderão enviar tropas para a Síria.

Dezenas de milhares de pessoas fugiram dos combates das forças do Governo com os rebeldes, cortando a principal rota de abastecimento para Aleppo.

A fronteira turca de Oncupinar manteve-se hoje encerrada.

O governador de Kilis, província turca na fronteira, Suleyman Tapsiz, disse que pelo menos 70 mil pessoas se dirigiam para a fronteira e que os deslocados estavam a ser acomodados em oito campos no lado sírio.

A Turquia, onde já habitam entre dois e 2,5 milhões de sírios, pode tomar conta de 30 a 35 mil refugiados na Síria, disse o governador.

O ministro dos Negócios Estrangeiros turco, Mevlut Cavusoglu, afirmou que a Turquia iria manter "a sua política de fronteiras abertas" para os refugiados sírios.

"Mantemos esta política para as pessoas que estão a fugir de agressões, do regime e dos ataques aéreos da Rússia", referiu.

O governante lembrou que a Turquia já recebeu cinco mil. "Mais 50 ou 55 mil estão a caminho e não podemos deixá-los ficar lá", disse.

Lusa

  • Luaty Beirão satisfeito com sinais de mudança de paradigma em Angola
    4:03

    Mundo

    Sete meses depois da tomada de posse de João Lourenço como presidente de Angola, o país vive um tempo de revoluções. Mudanças inéditas que, nas palavras do ativista Luaty Beirão, permitem ter esperança num futuro melhor. O músico esteve em Lagos, a convite da Câmara Municipal, para falar sobre Livros e Liberdade.

  • O portal onde pode consultar certidões e outros documentos sem sair de casa
    7:37
  • Presidente da Comunidade de Madrid demite-se depois da divulgação de vídeo de roubo
    1:27