sicnot

Perfil

Mundo

Michel Martelly deixa a presidência do Haiti

O Presidente do Haiti deixou hoje o cargo, no fim do mandato, e pediu unidade para ultrapassar as dificuldades que enfrenta o país mergulhado numa crise eleitoral que impossibilitou a eleição de um novo chefe de Estado.

"Hoje é um dia difícil, mas temos que estar unidos para enfrentar as dificuldades. Somos um povo corajoso, honrado e com uma história importante para o mundo", disse Michel Martelly.

"Hoje é um dia difícil, mas temos que estar unidos para enfrentar as dificuldades. Somos um povo corajoso, honrado e com uma história importante para o mundo", disse Michel Martelly.

© Andres Martinez Casares / Reuters

"Hoje é um dia difícil, mas temos que estar unidos para enfrentar as dificuldades. Somos um povo corajoso, honrado e com uma história importante para o mundo", disse Michel Martelly, na última vez que compareceu no Congresso Nacional, encarregado agora de nomear um governo provisório.

Na mensagem, Martelly pediu aos haitianos que abandonem o caminho da violência, que "não leva a nada", e agradeceu a missão que lhe foi confiada pelos haitianos a 14 de maio de 2011.

"É um trabalho muito difícil, que realizei com honra e estou feliz com o meu trabalho", disse. Martelly acrescentou que a missão de mudar o país "não é fácil", mas tem de continuar "com determinação para um futuro melhor".

"Nestes cincos anos dei tudo para ajudar o meu país a desenvolver-se e a entrar na modernidade", garantiu.

"Desde o terramoto (de janeiro de 2010) que queria servir o meu país, cinco anos depois estou pronto para me apresentar perante o tribunal da História", sublinhou.

Martelly afirmou ser necessário "lutar contra a demagogia e o espírito de violência", acrescentando não pretender sair do país.

"Não vou a lado algum, vou ficar aqui, no meu país, sou o filho de Jean Jacques Dessalines, Alexandre Petion, Capois La Mort", declarou.

O executivo e o parlamento haitianos concordaram no sábado formar um governo provisório, com um mandato de 120 dias que deverá organizar eleições a 24 de abril. O presidente eleito deverá tomar posse a 14 de maio.

O acordo estabelece também a escolha de um novo presidente "nos próximos dias" pelo Congresso Nacional, o parlamento bicameral do Haiti.

A oposição rejeitou este acordo por não estarem contempladas as suas exigências, com destaque para a formação de uma comissão para investigar as irregularidades cometidas na primeira ronda das presidenciais, de 25 de outubro passado, e que desencadearam a atual crise.

A segunda volta das presidenciais estava prevista para 24 de janeiro, mas foi adiada dois dias antes pelo Conselho Eleitoral Provisório (CEP) devido à violência no país, que causou pelo menos quatro mortos.

Na primeira volta, os candidatos que obtiveram mais votos foram Jovenel Moise, do Partido Haitiano Tet Kale (PHTK, no poder), e Jude Celestin, da Liga Alternativa para o Progresso e Emancipação Haitiana (LAPEH, oposição).

Celestin recusou participar na segunda volta devido "às graves irregularidades" no processo eleitoral.

Os haitianos assinalam hoje o 30.º aniversário da queda da ditadura do falecido presidente Jean-Claude Duvalier.

Lusa

  • "Não podemos fazer de Lisboa uma cidade para turistas"
    2:44

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite da SIC, o mandato de Fernando Medina na Câmara de Lisboa. O comentador da SIC defendeu que o autarca tem "muitos problemas por resolver" e que a Câmara tem investido "mais na recuperação de zonas em que os lisboetas praticamente não conseguem ir". Sousa Tavares disse ainda que Lisboa não pode ser uma cidade para turistas.

    Miguel Sousa Tavares

  • "Putin é uma ameaça maior do que o Daesh"
    0:24

    Mundo

    O senador norte-americano John McCain atacou Vladimir Putin dizendo que é uma ameaça maior do que o Daesh. O antigo candidato à Casa Branca acusa a Rússia de querer destruir a democracia ao tentar manipular o resultado das presidenciais dos Estados Unidos.

  • "É muito importante ceder à tentação de se abolir a liberdade"
    1:06