sicnot

Perfil

Mundo

Michel Martelly deixa a presidência do Haiti

O Presidente do Haiti deixou hoje o cargo, no fim do mandato, e pediu unidade para ultrapassar as dificuldades que enfrenta o país mergulhado numa crise eleitoral que impossibilitou a eleição de um novo chefe de Estado.

"Hoje é um dia difícil, mas temos que estar unidos para enfrentar as dificuldades. Somos um povo corajoso, honrado e com uma história importante para o mundo", disse Michel Martelly.

"Hoje é um dia difícil, mas temos que estar unidos para enfrentar as dificuldades. Somos um povo corajoso, honrado e com uma história importante para o mundo", disse Michel Martelly.

© Andres Martinez Casares / Reuters

"Hoje é um dia difícil, mas temos que estar unidos para enfrentar as dificuldades. Somos um povo corajoso, honrado e com uma história importante para o mundo", disse Michel Martelly, na última vez que compareceu no Congresso Nacional, encarregado agora de nomear um governo provisório.

Na mensagem, Martelly pediu aos haitianos que abandonem o caminho da violência, que "não leva a nada", e agradeceu a missão que lhe foi confiada pelos haitianos a 14 de maio de 2011.

"É um trabalho muito difícil, que realizei com honra e estou feliz com o meu trabalho", disse. Martelly acrescentou que a missão de mudar o país "não é fácil", mas tem de continuar "com determinação para um futuro melhor".

"Nestes cincos anos dei tudo para ajudar o meu país a desenvolver-se e a entrar na modernidade", garantiu.

"Desde o terramoto (de janeiro de 2010) que queria servir o meu país, cinco anos depois estou pronto para me apresentar perante o tribunal da História", sublinhou.

Martelly afirmou ser necessário "lutar contra a demagogia e o espírito de violência", acrescentando não pretender sair do país.

"Não vou a lado algum, vou ficar aqui, no meu país, sou o filho de Jean Jacques Dessalines, Alexandre Petion, Capois La Mort", declarou.

O executivo e o parlamento haitianos concordaram no sábado formar um governo provisório, com um mandato de 120 dias que deverá organizar eleições a 24 de abril. O presidente eleito deverá tomar posse a 14 de maio.

O acordo estabelece também a escolha de um novo presidente "nos próximos dias" pelo Congresso Nacional, o parlamento bicameral do Haiti.

A oposição rejeitou este acordo por não estarem contempladas as suas exigências, com destaque para a formação de uma comissão para investigar as irregularidades cometidas na primeira ronda das presidenciais, de 25 de outubro passado, e que desencadearam a atual crise.

A segunda volta das presidenciais estava prevista para 24 de janeiro, mas foi adiada dois dias antes pelo Conselho Eleitoral Provisório (CEP) devido à violência no país, que causou pelo menos quatro mortos.

Na primeira volta, os candidatos que obtiveram mais votos foram Jovenel Moise, do Partido Haitiano Tet Kale (PHTK, no poder), e Jude Celestin, da Liga Alternativa para o Progresso e Emancipação Haitiana (LAPEH, oposição).

Celestin recusou participar na segunda volta devido "às graves irregularidades" no processo eleitoral.

Os haitianos assinalam hoje o 30.º aniversário da queda da ditadura do falecido presidente Jean-Claude Duvalier.

Lusa

  • Coutinho e Neymar salvam Brasil de empatar com a Costa Rica já na compensação

    Mundial 2018 / Brasil

    O Brasil venceu a Costa Rica por 2-0 numa partida a contar para a 2ª jornada do grupo E do Mundial da Rússia. Contas feitas, o Brasil sobe para o primeiro lugar do grupo, com 4 pontos, seguido da Sérvia com 3 pontos. A Suíça (1 ponto) e a Costa Rica (0 pontos) ocupam, assim, os últimos lugares da tabela.

  • Moutinho e Rafael Guerreiro de "baixa", Fonte disponível "para tocar bombo"
    1:52
  • Mulher morre após ser mandada para casa pelo Centro Hospitalar do Oeste
    2:23

    País

    Uma mulher morreu depois de ter tido alta no Centro Hospitalar do Oeste. Há fortes suspeitas que tenha sido vítima de um diagnóstico mal feito por uma empresa de telemedicina. O Bastonário da Ordem dos Médicos quer avaliar todos os contratos do Estado com serviços de telemedicina e impedir que as empresas e os hospitais fujam às responsabilidades. Até agora ninguém foi responsabilizado, a família apresentou várias queixas e Entidade Reguladora da Saúde abriu um inquérito.

  • Antigo campeão nacional de Ori-BTT, de 19 anos, morreu em colisão com carro
    1:42

    País

    Um ciclista de 19 anos morreu e o pai ficou gravemente ferido, numa colisão com uma viatura que fazia uma inversão de marcha, em Loulé, na quarta-feira. Quando o acidente aconteceu, o jovem estava a treinar para um campeonato na Hungria, onde ia participar dentro de poucos dias. Duarte Lourenço, que chegou a ser campeão nacional de Ori-BTT, pertencia ao escalão de Juniores, devido à sua idade, mas por vontade própria fazia escalão Sénior.