sicnot

Perfil

Mundo

Bananas ajudam a desenvolver teste diagnóstico de cancro na pele

Os pontos pretos nas bananas velhas ajudaram a fazer um diagnóstico mais fácil e rápido de cancro na pele, aumentando as hipóteses de sobrevivência, afirmaram hoje cientistas.

© Daniel Leclair / Reuters

Quando as bananas amadurecem, a sua pele fica coberta de pequenas manchas pretas redondas, causadas por um enzima conhecido como tirosinase, e que também está presente na pele humana e em maior quantidade nas pessoas que sofrem de melanoma, uma forma letal de cancro na pele.

Uma equipa de cientistas usou esta semelhança para construir um scanner de cancro e, segundo os pesquisadores do Laboratório de Física e Analítica Eletroquímica da Suíça, a enzima é um marcador confiável para analisar o crescimento do melanoma.

O scanner tem oito microeléctrodos flexíveis, espaçados como dentes de um pente, que passam sobre a pele e medem a quantidade e distribuição de tirosinase.

"O sistema pode evitar a necessidade de testes invasivos como biópsias", disse o chefe da equipa de investigadores, Hubert Girault.

Hubert Girault acredita que no futuro o teste pode ser usado para destruir tumores, acabando com as biópsias e com as quimioterapias.

"Os nossos testes de laboratório iniciais revelaram que o dispositivo poderá ser usado para destruir células", concluiu.

Lusa

  • Benefícios fiscais trouxeram a Portugal 10 mil estrangeiros em 2015

    Economia

    Os benefícios fiscais em Portugal atraíram mais de 10 mil estrangeiros no ano passado. A maioria vem com o estatuto de residente não habitual, que dá isenção total de IRS aos reformados por dez anos e 20% de isenção no imposto para profissionais que estiverem ligados a atividades de valor acrescentado como Psicologia, Investigação ou Medicina.

  • Trump e os jornalistas: uma relação (su)rreal
    2:08
  • Novo campo de refugiados construído em Mossul

    Mundo

    Um novo campo de refugiados foi construído em Mossul, no Iraque. Com cerca de 4 mil tendas, foi construído durante 45 dias para albergar os deslocados que se prevê que aumentem com a atual ofensiva militar na zona ocidental da cidade.