sicnot

Perfil

Mundo

França vota na quarta-feira polémica lei de retirada da nacionalidade

A Assembleia Nacional de França vota na quarta-feira uma revisão da Constituição que inclui a polémica retrada da nacionalidade a binacionais condenados por terrorismo, uma disposição prevista na legislação de vários países mas não na lei fundamental.

Assembleia Nacional Francesa vota esta quarta-feira a polémica lei de retirada da nacionalidade

Assembleia Nacional Francesa vota esta quarta-feira a polémica lei de retirada da nacionalidade

© Charles Platiau / Reuters


A lei em vigor em França já permite a retirada da nacionalidade aos cidadãos que a tenham adquirido - por casamento, naturalização ou nascimento em França de pais estrangeiros --, mas deixa de fora os franceses por nascimento - filhos de franceses.

O projeto de revisão agora em discussão visa alargar a retirada da nacionalidade aos detentores de dupla nacionalidade que nasceram franceses e tenham sido "condenados por um crime que constitua uma ofensa grave à vida da nação".

A polémica, que dividiu o Partido Socialista francês e levou à demissão da ministra da Justiça Christiane Taubira, baseia-se na introdução na Constituição de uma medida que discrimina um setor da população -- os cidadãos com dupla nacionalidade.

Para contornar as críticas, e assegurar apoio parlamentar, o governo do primeiro-ministro Manuel Valls retirou da versão final a palavra "binacionalidade", tornando a medida em teoria aplicável a todos os franceses.

Na prática, no entanto, ela aplica-se apenas aos que têm dupla nacionalidade, porque a Declaração Universal dos Direitos Humanos impede os Estados de criar apátridas e, ao retirar a expressão "binacionais", o executivo comprometeu-se a ratificar a Convenção da ONU para a Redução dos Casos de Apatridia.

Pela polémica que a envolve, a revisão constitucional não tem assegurada a aprovação na Assembleia Nacional. Em França, uma alteração constitucional tem de ser aprovada por pelo menos três quintos dos membros das duas câmaras do Parlamento, a Assembleia Nacional (câmara baixa) e o Senado (câmara alta).

Além da retirada da nacionalidade, a proposta, apresentada pelo Presidente francês, François Hollande, após os atentados de 13 de novembro em Paris, prevê a inscrição na Constituição da lei do estado de emergência.

A retirada da nacionalidade está prevista em 15 países da União Europeia -- Bélgica, Bulgária, Chipre, Dinamarca, Eslovénia, Estónia, Grécia, Holanda, Irlanda, Letónia, Lituânia, Malta, Reino Unido e Roménia -, mas aplica-se na maior parte dos casos a pessoas que adquiriram a nacionalidade.

Em Portugal, a lei apenas prevê a perda -- e não a retirada - da nacionalidade, que depende exclusivamente da vontade do cidadão que, desde que tenha outra nacionalidade, declare não querer ser português.

Apenas na Bélgica, Holanda e Reino Unido a retirada da nacionalidade se aplica aos binacionais, disposições que foram introduzidas na legislação mas não na Constituição.

Na Bélgica, a lei prevê desde 2012 a retirada da nacionalidade aos binacionais condenados a penas de cinco ou mais anos de prisão efetiva, nomeadamente por terrorismo.

Em 2015, depois do desmantelamento de uma célula de recrutamento de 'jihadistas' em Verviers, perto de Liège (leste), a lei foi revista para incluir o "incitamento a viajar para o estrangeiro para preparar ou cometer uma infração de terrorismo".

Na Holanda, a legislação foi alterada em 2010 para prever a retirada da nacionalidade aos binacionais envolvidos em casos de terrorismo. Em 2014, uma proposta de lei do governo prevendo a "retirada preventiva" da nacionalidade, que visava impedir potenciais 'jihadistas' de viajarem para a Síria, gerou forte polémica e acabou por ser retirada.

No Reino Unido, a lei da nacionalidade de 1981 foi emendada em 2006 para permitir a retirada da nacionalidade quando isso for considerado pelo Ministério do Interior como "correspondendo ao interesse público" e desde que haja dupla nacionalidade. A decisão não tem de ser fundamentada, mas admite recurso.

Em 2013, no entanto, o caso de Mahdi Hashi gerou controvérsia. Nascido na Somália, emigrou aos 5 anos com os pais para o Reino Unido, obtendo a nacionalidade britânica aos 14. Em 2012, quando estava na Somália, Londres retirou-lhe a nacionalidade e, meses depois, foi levado pelo FBI para os Estados Unidos por suspeita de apoiar materialmente um grupo ligado à Al-Qaida.

Hashi não tinha nacionalidade somali, ficando por isso apátrida. Recorreu da decisão, mas o recurso foi negado em 2013 com o argumento de que, tendo nascido na Somália, podia requer a nacionalidade somali.

Lusa

  • Habitantes de Almeida barricaram-se durante seis horas em agência da CGD
    2:31

    País

    Perto de 100 pessoas estiveram esta quarta-feira barricadas na agência da Caixa Geral de Depósitos em Almeida, distrito da Guarda. O protesto contra o encerramento da agência só terminou quase seis horas depois, com a garantia que os autarcas serão recebidos na próxima terça-feira pela Administração do banco público. 

  • Carro que atropelou adepto encontrado na casa de um amigo do suspeito
    2:18

    Desporto

    O carro que terá atropelado o adepto italiano que morreu junto ao Estádio da Luz foi encontrado esta terça-feira, numa garagem na Amadora, na casa de um amigo do suspeito. Trata-se de um homem na casa dos 30 anos que pertence à claque No Name boys e é agora procurado pela Polícia Judiciária.

  • Depois de dar a volta (de bicicleta de Lisboa a Setúbal)

    País

    Missão cumprida. A SIC foi dar uma volta de bicicleta, acompanhando a primeira etapa de uma iniciativa que pretende impulsionar o uso dos velocípedes no país. Ao longo desta quarta-feira, publicámos vários vídeos em direto na página de Facebook da SIC Notícias, que aqui reunimos, em jeito de balanço.

    Ricardo Rosa

  • Web Summit inaugura primeiro escritório fora da Irlanda em Lisboa
    1:58

    Web Summit

    A Web Summit inaugurou em Lisboa o primeiro escritório fora da Irlanda, que vai dar emprego a 20 pessoas, algumas portuguesas. O próximo objectivo é alargar eventos a outros pontos do país. A conferência internacional regressa a Lisboa entre 6 e 9 de novembro e a organização espera ter 60 mil participantes.

  • Trump volta a apelar ao fim do programa nuclear de Pyongyang
    1:43

    Mundo

    Donald Trump voltou a apelar à Coreia do Norte para que abandone o programa nuclear e opte pela via do diálogo. O Presidente dos Estados Unidos chamou à Casa Branca, para uma reunião extraordinária, todos os senadores norte-americanos para serem informados sobre a atual crise com a Coreia do Norte.

  • Ivanka Trump vaiada por defender o pai durante debate sobre igualdade de género
    1:51

    Mundo

    Com o propósito de criar pontes com Donald Trump, a chanceler alemã Angela Merkel convidou a filha mais velha do Presidente norte-americano para participar numa cimeira. No entanto as coisas não correram muito bem e Ivanka Trump foi vaiada pela audiência por ter defendido o pai quando o assunto era a igualdade de género. 

  • Papa apelou à revolução da ternura
    0:52
  • Irmã da mulher mais pesada do mundo acusa hospital de mentir

    Mundo

    A irmã da mulher egípcia que se acreditava ser a mais pesada do mundo acusou os médicos de mentirem acerca da sua perda de peso. No entanto, o hospital que realizou a cirurgia bariátrica já respondeu às acusações, defendendo que a mulher pesa agora 172 quilos.

  • Diário de John F. Kennedy vendido por 660 mil euros

    Mundo

    Um diário escrito por John F. Kennedy quando jovem, durante uma curta passagem pelo jornalismo, depois da II Guerra Mundial, foi vendido por mais de 700 mil dólares (642 mil euros), informou esta quarta-feira uma casa de leilões.