sicnot

Perfil

Mundo

IRA-Continuidade reivindica tiroteio de sexta-feira em Dublin

Um dos dois grupos dissidentes do Exército Republicano Irlandês, IRA-Continuidade, reivindicou hoje o assassínio cometido na sexta-feira, numa pesagem de lutadores de boxe em Dublin, e anunciou ataques futuros contra "traficantes de droga e criminosos".

O tiroteio de sexta-feira que ocorreu no Regency Hotel, em Dublin, já foi reivindicado pelo Exército Republicano Irlandês

O tiroteio de sexta-feira que ocorreu no Regency Hotel, em Dublin, já foi reivindicado pelo Exército Republicano Irlandês

© Clodagh Kilcoyne / Reuters

Um homem, que afirmou falar em nome da direção do grupo, declarou à cadeia britânica BBC que David Byrne, a vítima, foi visado por estar implicado no homicídio, em setembro de 2012 em Dublin, de Alan Ryan, um membro importante de um outro grupo dissidente do IRA, o IRA-Verdadeiro.

O IRA-Continuidade nasceu em 1986 de uma cisão com o Sinn Fein, antigo braço político do IRA.

O grupo, que já reivindicou no passado o assassínio de um polícia na Irlanda do Norte, é hostil a qualquer processo de paz ou acordo que não inclua a ligação da Irlanda do Norte, província britânica, ao resto da Irlanda.

Igualmente chamado CIRA (Continuity IRA, em inglês), este grupo é relativamente menos conhecido que o IRA-Verdadeiro, surgido após um atentado em Omagh, o mais mortífero da história norte-irlandesa, que causou 29 mortos em 1998.

A polícia irlandesa escusou-se a fazer qualquer comentário sobre estas informações.

A operação policial continua a procurar os autores do ataque, que também causou dois feridos na sexta-feira, quando homens armados dispararam sobre adeptos de boxe no hotel Regency em Dublin.

A polícia disse recear represálias, e que está a privilegiar a tese de um ajuste de contas entre gangues. Barreiras nas estradas e patrulhas armadas foram destacadas em Dublin.

"Pensamos que há pelo menos seis pessoas implicadas nesta ocorrência. Três envergavam uniformes e capacetes e tinham armas automáticas. Um homem disfarçado de mulher também esteve presente", declarou Jack Nolan, comissário adjunto da polícia irlandesa, em conferência de imprensa.

Os jornais irlandeses publicaram fotografias dos atacantes encapuzados, vestidos como agentes da polícia de elite e armados com espingardas de assalto AK-47.

A polícia difundiu, nas suas páginas em redes sociais, uma foto de um veículo, à procura de informações.

A pesagem dos participantes dos lutadores realizou-se para promoção do torneio "Clash of the Clans" (confronto de clãs, em inglês), que devia ter decorrido no sábado no estádio nacional de Dublin. A organização cancelou o evento na sequência do ataque.

Lusa

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.