sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 30 mortos em dois naufrágios no mar Egeu

Pelo menos 35 migrantes morreram hoje em dois naufrágios no mar Egeu, ao largo da costa ocidental da Turquia, quando as embarcações em que seguiam tentavam alcançar as ilhas gregas da região e a porta de entrada na Europa.

reuters

O primeiro naufrágio de uma embarcação que tentava alcançar a ilha grega de Lesbos provocou pelo menos 11 vítimas ao largo de Dikili, na província de Izmir (oeste), informou a agência noticiosa turca Dogan.

O segundo incidente, que provocou 24 mortos, foi registado ao largo da localidade de Edremit, a norte de Dikili e na província de Balikesir, ainda segundo a Dogan.

Ao início da tarde, a guarda-costeira prosseguia as buscas por terra e mar nos arredores de Edremit, em busca de eventuais sobreviventes.

Três passageiros da primeira embarcação foram socorridos pela guarda-costeira, acrescentou a agência noticiosa, enquanto quatro foram salvos do segundo naufrágio.

Estas novas tragédias ocorreram no dia de uma curta visita de trabalho que a chanceler alemã, Angela Merkel, efetua hoje a Ancara, com o objetivo de pressionar os turcos a reduzir o fluxo de imigrantes em direção à Europa.

No final de novembro, Ancara e Bruxelas assinaram um "plano de ação" que prevê uma ajuda europeia de três mil milhões de euros às autoridades turcas em troca do seu compromisso de exercerem um controlo mais eficaz das suas fronteiras e combateram os traficantes.

Na quarta-feira, os países europeus aprovaram o financiamento deste novo plano.

A Turquia, que acolhe oficialmente cerca de 2,7 milhões de sírios e 300.000 iraquianos em fuga dos seus países em guerra, tornou-se num dos principais pontos de partidas dos migrantes que pretendem alcançar a Europa.

A ONU anunciou no início deste mês que as crianças e mulheres constituem quase dois terços dos migrantes e refugiados que arriscam a perigosa travessia marítima da Turquia para a Grécia, na sequência dum importante aumento no fluxo dos menores de idade.

De acordo com o Fundo das Nações Unidas para a Infância e Educação (UNICEF), quase 60 por cento dos refugiados que chegam à Macedónia (FYROM) desde a Grécia, após cruzarem o Mar Egeu, no Mediterrâneo oriental, são crianças e mulheres, constituindo a maioria dos migrantes, um fenómeno que até agora não tinha ocorrido, segundo referiu a porta-voz da agência da ONU, Sarah Crowe.

No início de fevereiro, a Organização Internacional para as Migrações (OIM) informou que, apenas em janeiro de 2016, 62.193 migrantes atravessaram o mar Egeu para entrar na Grécia. No mesmo período, foi registada a morte de 60 crianças que tentavam atravessar o Mediterrâneo.

Em 2015, morreram afogados 270 jovens quanto tentavam esta travessia por mar.

No total, e desde o início deste ano, a OIM já tinha contabilizado 368 mortos no Mediterrâneo

  • Portugal com 3.ª maior dívida pública da UE

    Economia

    A dívida pública recuou, em termos homólogos, na zona euro e na União Europeia (UE), no primeiro trimestre, tendo Portugal registado a terceira maior dos 28 (130,5%), depois da Grécia e de Itália, divulga hoje o Eurostat.

  • Crianças no Daesh - 2ª Parte
    23:43
  • Montenegro e o futuro do PSD: "Não vou pedir licença para avançar"
    1:41

    País

    Luís Montenegro admite que se achar que é a pessoa ideal para a liderança do PSD, não vai pedir licença a ninguém para avançar. Em entrevista à SIC Notícias, o ex-líder parlamentar do PSD diz que está ao lado de Passos Coelho mas sublinha que é importante que haja uma clarificação na liderança do partido.

    Entrevista SIC Notícias

  • "Estes engenheiros não tiveram formação para exercer arquitetura"
    7:00

    País

    O Parlamento aprovou esta quarta-feira as propostas do PSD e do PAN para devolver aos engenheiros a possibilidade de assinarem projetos de arquitetura. Os aquitetos discordam da medida. José Manuel Pedreirinho, presidente da Ordem dos arquitetos, esteve na Edição da Noite da SIC Notícias para falar sobre o assunto.

    Entrevista SIC Notícias

  • "Foi uma grande honra ser deputado"
    1:23

    País

    Alberto Martins vai deixar a vida política, o socialista renunciou esta quarta-feira ao cargo de deputado, que ocupava há 30 anos, com algumas interrupções. Alberto Martins desempenhou funções de ministro da Reforma do Estado no segundo Governo de António Guterres, e de ministro da Justiça no segundo Executivo liderado por josé Sócrates. O socialista vai ser substituído por Hugo Carvalho.