sicnot

Perfil

Mundo

Michael Bloomberg admite concorrer às eleições presidenciais dos EUA

O bilionário Michael Bloomberg, ex-presidente da Câmara de Nova Iorque e proprietário do grupo de informação financeira homónimo, admitiu hoje, em declarações ao Financial Times, concorrer às eleições presidenciais nos EUA.

Thibault Camus

Republicano, a sua entrada reconfiguraria o campo de candidatos do seu partido, que tem sido dominado por Donald Trump, mas onde também pontificam designadamente os senadores Ted Cruz e Marco Rubio.

Como que a justificar a sua candidatura, Bloomberg aludiu ao nível "banal" dos discursos e debates, classificando-os como "ultraje" e "insulto" para os eleitores.

Em janeiro o New York Times noticiava que Bloomberg poderia concorrer como independente e ter a candidatura financiada por mil milhões de dólares de uma fortuna estimada, conforme as versões, entre 39 mil milhões e 49 mil milhões de dólares.

A eventualidade da entrada de Bloomberg na corrida presidencial levou, no passado, Ted Cruz a declarar-se "muito feliz" e o candidato democrata Bernie Sanders a comentar que os EUA estão a "mover-se de uma democracia para uma oligarquia".

Lusa

  • PSD está a "perder terreno" na escolha de candidato a Lisboa
    1:46

    País

    Quem o diz é Luís Marques Mendes: o PSD perde na demora da escolha de um candidato para a Câmara de Lisboa. O líder Passos Coelho rejeita apoiar a candidatura de Assunção Cristas e garante que o partido vai ter um candidato próprio. Segundo o comentador da SIC, o último convite foi dirigido a José Eduardo Moniz.

  • Trump não escreve todos os tweets, mas dita-os

    Mundo

    O Presidente eleito dos EUA não escreve todos os tweets que são publicados na sua conta desta rede social, mas dita-os aos seus funcionários. Numa entrevista a um ex-secretário de Estado britânico, Donald Trump explica como usa a sua conta e garante que depois de ser investido Presidente, vai continuar a usar o Twitter para defender-se da "imprensa desonesta".

  • Depressão pode ser mais prejudicial para o coração do que a hipertensão

    Mundo

    Um estudo recente estabelece uma nova ligação entre depressão e distúrbios cardíacos. De acordo com a investigação publicada na revista Atheroscleroses, o risco de vir a sofrer de uma doença cardíaca grave é quase tão elevado para os homens que sofram de depressão, do que para os que tenham colesterol elevado ou obesidade, e pode mesmo ser maior do que para os que sofram de hipertensão.