sicnot

Perfil

Mundo

Toyota suspende produção no Japão por falta de aço

O maior fabricante de automóveis do mundo, a Toyota Motor, suspendeu a produção em todas as suas fábricas no Japão entre hoje e o dia 15 de fevereiro por falta de fornecimento de aço, anunciou a empresa num comunicado.

© Abhishek Chinnappa / Reuters

A falta de aço deve-se a um acidente numa fábrica deste material, a 08 de janeiro.

Todas as linhas de montagem das 16 fábricas da Toyota no Japão estão paradas, assim como outras unidades de produção de componentes da empresa.

A suspensão afeta também as linhas de produção das suas filiais Hino, Daihatsu e Lexus.

É a primeira vez que a Toyota para a produção no Japão desde o terramoto seguido de tsunami que abalou o país em março de 2011.

Com esta paragem, a Toyota deixará de produzir entre 70 e 80 mil automóveis, o que poderá ter um impacto nas suas contas anuais, segundo a própria empresa.

A medida não afeta as fábricas da empresa na América, na Europa e outros países da Ásia, que são responsáveis por cerca de metade da produção total do grupo.

A falta de aço deve-se a uma explosão a 08 de janeiro numa fábrica da filial da Toyota Aichi Steel, localizada no centro do Japão.

A Toyota Motor anunciou na sexta-feira que obteve, entre abril e dezembro, lucros líquidos de 1,88 biliões de ienes (14.423 milhões de euros), mais 9,2% em termos anuais homólogos, graças aos efeitos positivos da depreciação do iene e redução de custos.

O fabricante automóvel, com sede em Aichi (centro do Japão), registou lucros operacionais de 2,3 biliões de ienes (17.635 milhões de euros) nesse período, que corresponde aos primeiros nove meses do exercício fiscal no Japão, e lucros líquidos de 1,88 biliões de ienes (14.423 milhões de euros), mais 9%.

A faturação aumentou 6,5% até aos 21,43 biliões de ienes (163.923 milhões de euros).

O atual exercício fiscal no Japão termina a 31 de março de 2016.

Lusa

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalaram-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.