sicnot

Perfil

Mundo

Coreia do Norte pode voltar a produzir plutónio, diz relatório da CIA

A Coreia do Norte pode retomar a produção de plutónio no complexo nuclear de Yongbyon nas próximas semanas ou meses, afirmou o diretor dos serviços de informações dos Estados Unidos, James Clapper.

Central nuclear de Yongbyon fotografada em 2013.

Central nuclear de Yongbyon fotografada em 2013.

© KYODO Kyodo / Reuters

No relatório anual sobre as ameaças globais, publicado hoje, o responsável considera que o reator nuclear de Yongbyon está operacional há tempo suficiente para iniciar a produzir plutónio "dentro de algumas semanas ou meses".

A 15 de setembro, a Coreia do Norte anunciou que começou novamente a operar o reator nuclear de Yongbyon, considerado a principal fonte de plutónio do regime de Kim Jong-un para abastecer o seu programa de desenvolvimento de armas nucleares.

"Todas as instalações nucleares em Yongbyon, incluindo a central de enriquecimento de urânio e o reator moderado a grafite de cinco megawatts, foram reorganizadas, alteradas ou reajustadas e já começaram a operar com normalidade", anunciou então o diretor do Instituto de Energia Atómica norte-coreano, num comunicado transmitido pela agência estatal KCNA.

Na altura, a Presidência dos EUA apelou aos dirigentes da Coreia do Norte para que evitem "provocações irresponsáveis", depois do reinício do funcionamento de um reator considerado a sua principal fonte de plutónio com qualidade militar.

Lusa

  • Braga perde com Shakhtar e fica fora dos 16 avos de final da Liga Europa
    3:16
  • "Quem não deve não teme"

    Football Leaks

    O futebolista português Cristiano Ronaldo, questionado sobre a sua alegada fuga ao fisco veiculada pela investigação "Football Leaks", disse que "quem não deve não teme", numa reação difundida esta quinta-feira pela rádio espanhola Onda Cero.

  • Cerca de 150 civis doentes retirados de Alepo

    Mundo

    Cerca de 150 civis, a maioria doentes ou deficientes, foram retirados na noite de quarta-feira para quinta-feira de um centro de saúde de Aleppo, na parte mais antiga da cidade tomada pelo exército sírio, anunciou a Cruz Vermelha internacional.