sicnot

Perfil

Mundo

Crise na Síria é "bem mais grave" do que estima a ONU

Duas organizações não-governamentais revelaram hoje que mais de um milhão de sírios vivem sequestrados em 46 localidades depois de quase cinco anos de guerra no país, considerando que a crise é "bem mais grave" do que estima a ONU.

© Yazan Homsy / Reuters (Arquivo)

Novos dados reunidos no projeto comum Siege Watch "mostram que há mais de um milhão de sírios que vivem cercados em várias zonas em Damasco e na região com o mesmo nome, bem como em Homs, Deir Ezzor e na província de Idlib", afirmaram a ONG holandesa PAX e a norte-americana The Syria Institute num relatório comum.

Estas 46 localidades reúnem 1.099.475 pessoas, na grande maioria sequestradas por tropas do regime, segundo o relatório. As pessoas envolvidas vivem com "risco acrescido de morte" devido à falata de nutrição, de eletricidade e de água corrente.

Estes dados foram reunidos por uma "grande rede de contactos nas localidades sequestradas" que trabalham para o projeto 'Siege Watch', adotado pela ONG holandesa em conjunto com a norte-americana The Syria Institute.

A crise na Síria das localidades sequestradas "é bem mais grave" do que o estimado pela ONU, refere o relatório.

Os últimos dados das Nações Unidas apontava para quase meio milhão de pessoas sequestradas, na maioria pelo regime sírio.

Segundo o relatório, o governo de Damasco utiliza a "estratégia da fome e da capitulação" de maneira sistemática através do país.

"O governo sírio e os seus aliados são de longe os responsáveis mais importantes de sequestros contra civis sírios", asseguram as duas ONG, adiantando que "em quase 50 localidades, apenas duas estão sequestradas por grupos armados da oposição", designadamente nas localidades de Foua e Kafraya na província de Idleb (noroeste).

"Uma terceira localidade, um conjunto de bairros na cidade de Deir Ezzor, está sequestrada pelo grupo do Estado Islâmico (EI) e pelo governo sírio", adiantam as ONG.

Nesta cidade do leste da Síria, cercada desde janeiro 2015, vivem mais de 200 mil pessoas.

Das 46 localidades, 36 estão à volta de Damasco.

Lusa

  • A proposta dos partidos para a redução da dívida
    1:55

    Economia

    O PS e o Bloco de Esquerda querem mais 45 anos para pagar as dívidas à UE e juros mais baixos. As medidas fazem parte da proposta para a redução da dívida pública. No relatório que será enviado ao Governo, não é pedido perdão da dívid como os partidos da esquerda chegaram a defender.

  • Ministros de Governos de Sócrates ouvidos pelo Ministério Público
    1:54
  • Suspeito de atropelamento mortal fala de acidente 
    2:00
  • A história de Macron e Brigitte Trogneux, 25 anos mais velha
    1:25

    Eleições França 2017

    A segunda volta das eleições francesas acontece já no próximo dia 7 de maio. Caso Emmanuel Macron seja eleito, o país terá como primeira-dama uma mulher 25 anos mais velha do que o Presidente. Brigitte Trogneux tem 64 anos e Macron 39, conheceram-se no liceu privado de jesuítas, em Amiens. Brigitte era a professora e Macron o aluno. Conheça a história do casal. 

  • Autoridades garantem ter evitado novo ataque terrorista em Londres
    0:59

    Mundo

    A polícia britânica garante que evitou um novo atentado em Londres. Mulher baleada faz parte das oito pessoas que foram detidas numa operação antiterrorista na capital britânica e no sul de Inglaterra. A operação realizou-se após a detenção de um homem com três facas, nas imediações do Parlamento britânico.

  • Polícia espanhola divulga imagens de operação anti-jihadista

    Mundo

    A polícia espanhola divulgou esta sexta-feira novas imagens da operação anti-jihadista levada a cabo na terça-feira em Barcelona. Sabe-se agora que dois dos nove suspeitos detidos podem estar relacionados com a célula terrorista de Bruxelas, responsável pelos ataques no Aeroporto de Zaventem e no metro da capital belga.

  • Menina que nasceu com três pernas já corre após a cirurgia

    Mundo

    Uma criança do Bangladesh que cresceu com três pernas vai regressar a casa, depois de uma viagem até à Austrália, onde foi operada para retirar o membro a mais. Como resultado de um gémeo que não se formou por completo, a criança de três anos nasceu com uma terceira perna na pélvis. Alguns meses após a cirurgia, feita em novembro, a menina já corre.