sicnot

Perfil

Mundo

Crise na Síria é "bem mais grave" do que estima a ONU

Duas organizações não-governamentais revelaram hoje que mais de um milhão de sírios vivem sequestrados em 46 localidades depois de quase cinco anos de guerra no país, considerando que a crise é "bem mais grave" do que estima a ONU.

© Yazan Homsy / Reuters (Arquivo)

Novos dados reunidos no projeto comum Siege Watch "mostram que há mais de um milhão de sírios que vivem cercados em várias zonas em Damasco e na região com o mesmo nome, bem como em Homs, Deir Ezzor e na província de Idlib", afirmaram a ONG holandesa PAX e a norte-americana The Syria Institute num relatório comum.

Estas 46 localidades reúnem 1.099.475 pessoas, na grande maioria sequestradas por tropas do regime, segundo o relatório. As pessoas envolvidas vivem com "risco acrescido de morte" devido à falata de nutrição, de eletricidade e de água corrente.

Estes dados foram reunidos por uma "grande rede de contactos nas localidades sequestradas" que trabalham para o projeto 'Siege Watch', adotado pela ONG holandesa em conjunto com a norte-americana The Syria Institute.

A crise na Síria das localidades sequestradas "é bem mais grave" do que o estimado pela ONU, refere o relatório.

Os últimos dados das Nações Unidas apontava para quase meio milhão de pessoas sequestradas, na maioria pelo regime sírio.

Segundo o relatório, o governo de Damasco utiliza a "estratégia da fome e da capitulação" de maneira sistemática através do país.

"O governo sírio e os seus aliados são de longe os responsáveis mais importantes de sequestros contra civis sírios", asseguram as duas ONG, adiantando que "em quase 50 localidades, apenas duas estão sequestradas por grupos armados da oposição", designadamente nas localidades de Foua e Kafraya na província de Idleb (noroeste).

"Uma terceira localidade, um conjunto de bairros na cidade de Deir Ezzor, está sequestrada pelo grupo do Estado Islâmico (EI) e pelo governo sírio", adiantam as ONG.

Nesta cidade do leste da Síria, cercada desde janeiro 2015, vivem mais de 200 mil pessoas.

Das 46 localidades, 36 estão à volta de Damasco.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.