sicnot

Perfil

Mundo

Líderes mundiais diminuem emissões poluentes da aviação

Os principias países do mundo chegaram segunda-feira a acordo para, pela primeira vez na história, estabelecerem um limite para reduzir as emissões de dióxido de carbono na aviação comercial, informaram os participantes.

(Arquivo)

(Arquivo)

O acordo, alcançado em Montreal, Canadá, por 23 países da Organização da Aviação Civil Internacional, tem de ser agora aprovado pelo conselho de governo do organismo da ONU.

Os Estados Unidos deram como certa a aprovação do acordo que a Organização da Aviação Civil Internacional qualificou como "recomendações" realizadas por 170 peritos internacionais do Comité sobre Proteção Ambiental da Aviação.

A Casa Branca referiu, em comunicado, que os "Estados Unidos e outros 22 países alcançaram o primeiro acordo da história sobre limites globais em emissões da aviação comercial".

"Quando estiverem totalmente implementados, as emissões de carbono devem diminuir em mais de 650 milhões de toneladas entre 2020 e 2040", acrescentou a Casa Branca.

Aquele valor é equivalente a retirar mais de 140 milhões de veículos das estradas durante um ano.

Um funcionário da Casa Branca, que qualificou o acordo de "histórico", considerou que é "um grande passo em frente" na agenda global contra as alterações climáticas e sublinhou que vai ser aplicado tanto em aeronaves que estão a ser fabricadas como as que se vão fabricar no futuro.

"Os Estados Unidos pressionaram muito para ter um bom padrão e está orgulhoso de ter conseguido um acordo tão sólido", indicou aos jornalistas o funcionário, que pediu para não ser identificado.

Em Montreal, sede da Organização da Aviação Civil Internacional, a presidente do conselho do organismo da ONU, Olumuyiwa Bernard Aliu, qualificou como "recomendações" as medidas ambientais aprovadas.

O acordo também estabelece o fim da produção, em 2028, de todos os aviões que não cumpram os padrões definidos.

As medidas vão ter maior impacto nos aviões de maior tamanho, que pesam mais de 60 toneladas, responsáveis por 90% das emissões da aviação internacional.

Lusa

  • "Tempestade de fogo" ameaça habitações em Aldeia Galega
    2:41
  • Pedrógão e o Governo das culpas dos outros

    Opinião

    Depois das revelações do ‘Expresso’ e do ‘i’, o primeiro-ministro e os ministros saíram à rua com uma estratégia muito bem definida: desmentir a existência de listas secretas e centrar as atenções no Ministério Público. Ao mesmo tempo, nas redes sociais, está em curso (mais) uma campanha contra os jornalistas. Os anónimos, com cartão de militante, que escrevem nessas páginas acusam os jornais das “mais rebuscadas teorias da conspiração”. Nada de novo portanto.

    Bernardo Ferrão

  • "Se alguém tem conhecimento de mais vítimas deve comunicar de imediato à PJ e ao MP"
    0:48
  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24
  • Como fugir às comissões bancárias
    7:24

    Contas Poupança

    Há muitos casos em que ter uma conta no banco está a dar prejuízo. Os juros são tão baixos e as comissões de manutenção de conta são tão altas que há portugueses que todos os meses perdem dinheiro apenas porque têm dinheiro no banco. O Contas Poupança foi à procura de alternativas.

  • Governo reconhece seca severa no continente desde 30 de junho

    País

    O Governo reconheceu, hoje, a existência de uma situação de seca severa no território continental, desde 30 de junho, que consubstancia um fenómeno climático adverso, com repercussões negativas na atividade agrícola, em despacho publicado hoje em Diário da República.

  • Produtores de maçã de Armamar dizem não ter recebido resposta do Ministério
    2:14

    País

    Os produtores de maçã de Armamar estão preocupados. Parte da produção foi destruída pelo mau tempo. Contudo, duas semanas depois, ainda não há resposta do Ministério da Agricultura aos pedidos de ajuda. Mais de 60 produtores com 800 hectares foram afetados e as árvores atingidas pelo granizo podem não conseguir produzir no próximo ano.

  • Bebé Charlie Grad já não vai receber tratamento nos EUA

    Mundo

    A mãe de Charlie Grad disse esta segunda-feira que o bebé poderia ter vivido uma vida normal, caso tivesse começado a receber tratamento cedo. Já o pai admitiu que o filho não iria viver até ao primeiro aniversário. O bebé foi diagnosticado com uma doença rara e um hospital em Inglaterra pediu permissão para desligar a ventilação artificial e fornecer-lhe cuidados paliativos. O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos aceitou e, até hoje, os pais travaram uma batalha na Justiça para suspender a decisão na esperança de irem tratar o filho nos Estados Unidos da América.

  • Número de mortos em atentado em Cabul sobe para 31

    Mundo

    O número de mortos no atentado com um carro armadilhado atribuído aos talibãs, esta segunda-feira de manhã em Cabul, subiu para 31, aos quais se somam cerca de 40 feridos, de acordo com um novo balanço das autoridades.

  • Pelo menos cinco feridos em ataque na cidade suíça de Schaffhausen

    Mundo

    Pelo menos cinco pessoas ficaram hoje feridas na sequência de um ataque, na cidade suíça de Schaffhausen. De acordo com as autoridades, as vítimas foram atacadas por um homem armado com uma motosserra, que está a ser procurado pela polícia. As autoridades descartaram a hipótese de "ato terrorista".

  • Oposição pressiona Maduro com anúncio de manifestações e greve geral
    1:34