sicnot

Perfil

Mundo

Twitter cria painel para lidar com abusos online

O Twitter vai criar um grupo para lidar e combater eventuais abusos feitos na rede social, como racismo, homofobia, violência inter religiosa, entre outros.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Dado Ruvic / Reuters

O Conselho de Segurança e de Confiança do Twitter terá como objetivo assegurar que a rede social é uma plataforma onde "qualquer pessoa, em qualquer lugar, se pode expressar em segurança e com confiança".

Do novo organismo farão parte vários advogados e colaboradores de organizações anti-abusos como a GLAAD ou a National Network to End Domestic Violence, bem como de agências de proteção de menores, grupos anti-racistas.

Os casos de abusos online têm vindo a crescer no Twitter, a par da incapacidade do mesmo de mitigá-los. O caso "Gamergate", entre a comunidade de fãs de videojogos, episódios de assédio sexual, de racismo e homofobia estão entre os mais comuns abusos na rede social.

A criação do novo conselho pretende remediar uma das menos desejáveis facetas do Twitter, apesar de um painel de conselheiros não ser, ainda assim, garantia de novas tentativas de violência online.

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.