sicnot

Perfil

Mundo

Casa Branca defende legalidade do plano de redução de emissões poluentes

A Casa Branca reafirmou a sua "confiança" na legalidade do plano de redução de emissões poluentes por centrais térmicas proposto pelo Presidente norte-americano, Barack Obama, que o Supremo Tribunal dos EUA suspendeu na terça-feira.

Central nuclear de Yongbyon fotografada em 2013.

Central nuclear de Yongbyon fotografada em 2013.

© KYODO Kyodo / Reuters

"Discordamos da decisão do Tribunal Supremo", afirmou o porta-voz da Casa Branca Josh Earnest, num comunicado em que afirma a sua convicção de que o plano assenta sobre bases "técnicas e legais sólidas".

O Supremo Tribunal dos Estados Unidos suspendeu na terça-feira o programa de redução de emissões poluentes por centrais térmicas proposto pelo Presidente norte-americano, Barack Obama.

A intervenção da mais alta instância judicial dos Estados Unidos foi requerida por 27 estados, na maioria governados pelo partido Republicano, que contestam o programa de promoção de energias limpas, que Obama assumiu como um dos pilares da sua política de combate às alterações climáticas.

A decisão suspende a aplicação do "Clean Power Plan" (Plano da Energia Limpa), concebido pela Agência de Proteção ambiental (EPA) dos Estados Unidos e que impõe às centrais elétricas reduções drásticas das emissões de dióxido de carbono (CO2, um dos principais agentes do efeito de estufa), de 32% até 2030, em relação aos níveis de 2005.

O Supremo norte-americano decidiu por uma maioria de cinco juízes de entre os nove que deliberaram sobre a questão, com os quatro magistrados que votaram contra a manifestarem publicamente o seu desacordo com a decisão.

O plano fica suspenso enquanto prosseguir o litígio suscitado por aqueles 27 estados.

No comunicado divulgado pela Casa Branca, Josh Earnest sublinha que o plano de Obama dá aos estados "o tempo e a flexibilidade de que precisam para desenvolver planos à medida e o menos dispendiosos possível para reduzirem as suas emissões".

Enquanto prosseguir o litígio, a EPA "trabalhará com os estados que escolherem continuar com o desenvolvimento dos seus planos e preparará as ferramentas de que precisarem", lê-se ainda no comunicado.

Lusa

  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.