sicnot

Perfil

Mundo

Casa Branca defende legalidade do plano de redução de emissões poluentes

A Casa Branca reafirmou a sua "confiança" na legalidade do plano de redução de emissões poluentes por centrais térmicas proposto pelo Presidente norte-americano, Barack Obama, que o Supremo Tribunal dos EUA suspendeu na terça-feira.

Central nuclear de Yongbyon fotografada em 2013.

Central nuclear de Yongbyon fotografada em 2013.

© KYODO Kyodo / Reuters

"Discordamos da decisão do Tribunal Supremo", afirmou o porta-voz da Casa Branca Josh Earnest, num comunicado em que afirma a sua convicção de que o plano assenta sobre bases "técnicas e legais sólidas".

O Supremo Tribunal dos Estados Unidos suspendeu na terça-feira o programa de redução de emissões poluentes por centrais térmicas proposto pelo Presidente norte-americano, Barack Obama.

A intervenção da mais alta instância judicial dos Estados Unidos foi requerida por 27 estados, na maioria governados pelo partido Republicano, que contestam o programa de promoção de energias limpas, que Obama assumiu como um dos pilares da sua política de combate às alterações climáticas.

A decisão suspende a aplicação do "Clean Power Plan" (Plano da Energia Limpa), concebido pela Agência de Proteção ambiental (EPA) dos Estados Unidos e que impõe às centrais elétricas reduções drásticas das emissões de dióxido de carbono (CO2, um dos principais agentes do efeito de estufa), de 32% até 2030, em relação aos níveis de 2005.

O Supremo norte-americano decidiu por uma maioria de cinco juízes de entre os nove que deliberaram sobre a questão, com os quatro magistrados que votaram contra a manifestarem publicamente o seu desacordo com a decisão.

O plano fica suspenso enquanto prosseguir o litígio suscitado por aqueles 27 estados.

No comunicado divulgado pela Casa Branca, Josh Earnest sublinha que o plano de Obama dá aos estados "o tempo e a flexibilidade de que precisam para desenvolver planos à medida e o menos dispendiosos possível para reduzirem as suas emissões".

Enquanto prosseguir o litígio, a EPA "trabalhará com os estados que escolherem continuar com o desenvolvimento dos seus planos e preparará as ferramentas de que precisarem", lê-se ainda no comunicado.

Lusa

  • Negócios do fogo
    22:00

    Reportagem Especial

    Todos os anos, o Estado gasta centenas de milhões de euros para financiar os meios de combate aos incêndios. A reportagem especial da SIC denuncia falta de rigor e clareza em muitos dos negócios.

  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.