sicnot

Perfil

Mundo

Chuvas fortes inundam quase cinco mil residências em Luanda

As fortes chuvas, que caem sobre a capital angolana, Luanda, há três dias consecutivos, causaram já milhares de inundações, entre as quais 4.786 residências, informou hoje fonte do serviço de Proteção Civil e Bombeiros.

(arquivo)

(arquivo)

© Stringer . / Reuters (Arquivo)

Em declarações à agência Lusa, o porta-voz do comando provincial de Luanda do Serviço de Proteção Civil e Bombeiros, Faustino Minguêns, disse que ficaram também inundadas cinco escolas, três centros médicos, duas esquadras policiais, duas creches e duas igrejas.

Faustino Minguêns destacou ainda o salvamento de quatro menores, com idades entre os quatro e 14 anos, em risco de afogamento, face à inundação das suas residências.

Acrescentou ainda que, as enxurradas, acompanhadas de vento, causaram a queda de algumas árvores, muitas ruas alagadas e bacias de contenção e retenção de águas cheias e a transbordarem para as zonas circundantes.

O responsável avançou que algumas ações para minimizar a situação estão já em curso, apesar da necessidade de mais meios para a realização dos trabalhos.

"Começámos a fazer a sucção das águas, aberturas de valetas, remoção de árvores caídas em vias públicas, limpeza em sarjetas e valas de drenagem devido à grande concentração de resíduos sólidos que estão a impedir o escoamento das águas", referiu o responsável.

Segundo Faustino Minguêns, são dados provisórios que vão se alterando em função da realidade e das atualizações das suas forças no terreno.

Dados oficiais da Comissão Nacional de Proteção Civil e Bombeiros dão conta que, desde o início da época chuvosa em Angola, cerca de 80 pessoas morreram em consequência das chuvas.

Lusa

  • Fuzileiros continuam no terreno a ajudar população
    3:03
  • Chef russo aconselha bife tártaro aos jogadores portugueses
    1:29
  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44
  • Desacatos no aeroporto de Faro deixam turistas britânicos em terra
    1:46

    País

    Cinco pessoas, que integravam o grupo de turistas britânicos que nos últimos dias causou desacatos em Albufeira, foram ontem impedidas de regressar a Inglaterra. Agressões no aeroporto e desacatos à entrada do avião levaram os comandantes de dois voos a recusar levar aqueles passageiros.