sicnot

Perfil

Mundo

Chuvas fortes inundam quase cinco mil residências em Luanda

As fortes chuvas, que caem sobre a capital angolana, Luanda, há três dias consecutivos, causaram já milhares de inundações, entre as quais 4.786 residências, informou hoje fonte do serviço de Proteção Civil e Bombeiros.

(arquivo)

(arquivo)

© Stringer . / Reuters (Arquivo)

Em declarações à agência Lusa, o porta-voz do comando provincial de Luanda do Serviço de Proteção Civil e Bombeiros, Faustino Minguêns, disse que ficaram também inundadas cinco escolas, três centros médicos, duas esquadras policiais, duas creches e duas igrejas.

Faustino Minguêns destacou ainda o salvamento de quatro menores, com idades entre os quatro e 14 anos, em risco de afogamento, face à inundação das suas residências.

Acrescentou ainda que, as enxurradas, acompanhadas de vento, causaram a queda de algumas árvores, muitas ruas alagadas e bacias de contenção e retenção de águas cheias e a transbordarem para as zonas circundantes.

O responsável avançou que algumas ações para minimizar a situação estão já em curso, apesar da necessidade de mais meios para a realização dos trabalhos.

"Começámos a fazer a sucção das águas, aberturas de valetas, remoção de árvores caídas em vias públicas, limpeza em sarjetas e valas de drenagem devido à grande concentração de resíduos sólidos que estão a impedir o escoamento das águas", referiu o responsável.

Segundo Faustino Minguêns, são dados provisórios que vão se alterando em função da realidade e das atualizações das suas forças no terreno.

Dados oficiais da Comissão Nacional de Proteção Civil e Bombeiros dão conta que, desde o início da época chuvosa em Angola, cerca de 80 pessoas morreram em consequência das chuvas.

Lusa

  • "Cada drama, cada problema, cada testemunho, impressiona muito"
    1:55
  • Clínica veterinária em Tondela recebeu dezenas de animais feridos nos fogos
    2:57
  • Temperaturas sobem até ao final do mês
    1:09

    País

    O tempo não dá tréguas e, até ao final do mês, as temperaturas vão atingir valores acima do normal para esta época do ano. As temperaturas máximas vão subir entre os 25 e os 32 graus. O risco de incêndio aumenta a partir desta segunda-feira em todo o país e os meios aéreos, viaturas, operacionais e equipas de patrulha vão ser reforçados.

  • Maioria das praias do Algarve já não tem nadador-salvador
    2:19

    País

    A lei não obrigada os concessionários a garantir o serviço e, por isso, a esmagadora maioria das praias do Algarve está sem vigilância desde 30 de setembro. Ainda assim, os areais vão atraindo milhares de banhistas com as temperaturas altas que ainda se fazem sentir. Um nadador-salvador recomenda os banhistas a não nadar e, em dias de ondulação, evitar caminhadas à beira-mar.

  • Parlamento catalão vai responder à ativação do artigo 155
    1:54
  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC

  • Quando o cão de Macron fez chichi no gabinete do Presidente francês
    0:31