sicnot

Perfil

Mundo

Maduro anuncia que vai usar Facebook para falar aos venezuelanos

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, convidou esta quarta-feira os venezuelanos a consultarem frequentemente a sua conta na rede social Facebook, onde escreverá sobre diversos temas de interesse nacional.

"Quero ampliar a minha atividade direta nas redes sociais e a partir de hoje escrever-lhes-ei desde a minha conta no Facebook", disse Maduro.

"Quero ampliar a minha atividade direta nas redes sociais e a partir de hoje escrever-lhes-ei desde a minha conta no Facebook", disse Maduro.

© Handout . / Reuters

"Quero ampliar a minha atividade direta nas redes sociais e a partir de hoje escrever-lhes-ei desde a minha conta no Facebook", afirmou.

O anúncio do chefe de Estado foi feito através da sua conta www.facebook.com/NicolasMaduro que pelas 16:00 de hoje (20:30 em Lisboa) contava já com 153.834 seguidores.

Além da foto de perfil do chefe de Estado, a página na rede social apresenta Nicolás Maduro acompanhado do seu vice-presidente, Aristóbulo Istúriz, bem como a primeira-dama Cília Flores, em atividades quotidianas.

"Hoje estive reunido com a equipa coordenadora da Agenda Económica Bolivariana, encabeçada pelo vice-presidente Executivo Aristóbulo Istúriz; verifiquei toda a agenda de decisões que tenho vindo ativando junto do Conselho nacional de Economia Produtiva", explica.

A página contém ainda fotos do programa de segurança aplicado pelo Executivo durante o carnaval e um agradecimento à sua equipa de trabalho com a qual, escreveu, "juntamente com milhões de compatriotas construiremos o futuro de uma nova economia produtiva".

"Convido todos (as) a ativar-se na minha conta do Facebook que a partir de hoje usarei diariamente para comunicar", garante.

Até agora o Presidente Nicolás Maduro comunicava com os venezuelanos através da rede social de mensagens curtas Twitter, onde tem 2,7 milhões de seguidores, e também através do portal nicolasmaduro.org.ve que usava para publicar fotos e notícias sobre as suas atividades.

Lusa

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.

  • Trump acusa o procurador-geral dos EUA de ser fraco
    1:46