sicnot

Perfil

Mundo

Quase 100 civis entre os mais de 500 mortos na ofensiva do regime sírio em Aleppo

Perto de 100 civis, entre os quais 23 crianças, estão entre as 500 pessoas mortas desde o início da ofensiva do regime sírio com o apoio da aviação russa contra os rebeldes em Aleppo, denuncia o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

Escombros de uma escola que terá sido atingida durante ataque aéreo russo.

Escombros de uma escola que terá sido atingida durante ataque aéreo russo.

© Khalil Ashawi / Reuters

Segundo a ONG, que monitoriza a guerra na Síria, 506 pessoas morreram na ofensiva lançada a 1 de fevereiro nesta província no norte da Síria.

"Pelo menos 143 combatentes do regime, 274 combatentes do lado dos rebeldes e jihadistas estrangeiros, bem como 89 civis foram mortos desde 1 de fevereiro até terça-feira à noite [9 de fevereiro]", indicou à AFP o diretor do Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), Rami Abdel Rahmane.

Entre os milicianos pró-regime mortos estão 14 iranianos e pelo menos três do Hezbollah xiita, aliado libanês do regime de Bashar al-Assad, precisou.

Além dos 169 rebeldes sírio mortos, 105 jihadistas estrangeiros - entre os quais membros da Frente Al-Nusra, o ramo sírio da Al Qaeda - morreram em combates, ainda de acordo com o balanço do OSDH.

Desde o início da ofensiva, o regime sírio recuperou aos rebeldes várias localidades no norte da província de Aleppo e sitiou os rebeldes na cidade, onde ainda vivem cerca de 350 mil civis.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15