sicnot

Perfil

Mundo

Desastres relacionados com clima superam qualquer tipo de catástrofe

Os desastres relacionados com as alterações climáticas superam em número e intensidade os causados por qualquer outro tipo de catástrofe, assinalaram hoje em Genebra instituições internacionais especializadas na questão.

O El Niño já provocou severas alterações meteorológicas, como inundações ou secas e alcançou o seu "pico" em novembro e dezembro de 2015. Uma dos países mais afetados tem sido Moçambique.

O El Niño já provocou severas alterações meteorológicas, como inundações ou secas e alcançou o seu "pico" em novembro e dezembro de 2015. Uma dos países mais afetados tem sido Moçambique.

© Eldson Chagara / Reuters

O ano de 2015 foi o mais quente desde meados do século XIX, quando começaram a registar-se as temperaturas, o que os especialistas relacionam com a existência de 32 secas graves, contra uma média anual de 15 no decénio anterior.

"Ultrapassamos o ano mais quente jamais registado, durante o qual 98,6 milhões de pessoas foram afetadas por desastres", disse o diretor do gabinete das Nações Unidas para a Redução do Risco de Catástrofes (UNISDR), Robert Glasser, ao apresentar aqueles dados à imprensa.

A China foi o país mais afetado por desastres o ano passado, com um total de 26, seguido dos Estados Unidos (22), da Índia (19), Filipinas (15) e Indonésia (11).

As secas foram o tipo de desastre que afetou maior número de pessoas, com um total de 50,5 milhões de vítimas, seguidas das inundações, com 27,5 milhões.

As tempestades -- intensificadas pelos distúrbios do clima devido ao aquecimento do planeta -- aparecem em terceiro lugar com 10,5 milhões de vítimas.

No entanto, de acordo com o Centro de Investigação sobre a Epidemiologia das Catástrofes (CRED), os desastres em 2015 causaram 22.773 mortos, uma redução considerável face à média anual dos 10 anos anteriores que foi de 76.424 vítimas mortais.

As mortes do ano passado registaram-se em 346 desastres, incluindo as 8.831 do terramoto no Nepal.

As temperaturas extremas, sobretudo as vagas de calor, incluem-se também nos desastres graves ocorridos em 2015.

"Vários países da Europa enfrentaram limites de calor com números significativos de vítimas mortais, sobretudo em França, enquanto a Índia e o Paquistão viveram vagas de calor que estão entre as mais graves dos últimos tempos", disse a diretora do CRED, Debarati Guha-Sapir, considerando que "a mortalidade devido às vagas de calor está muito subestimada".

Lusa

  • "O que mais tem havido nesta altura são respostas precipitadas"
    7:21

    Opinião

    Foi um "debate contido" o de hoje, no Parlamento, sobretudo no frente-a-frente entre António Costa e Passos Coelho, na opinião de Bernardo Ferrão. O subdiretor de informação da SIC sublinha uma declaração "mortal" do primeiro-ministro, quando este disse que "ninguém quer respostas precipitadas". Por outro lado, a comissão técnica independente pedida pelo PSD pode virar-se contra o próprio partido.

    Bernardo Ferrão

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.