sicnot

Perfil

Mundo

Desastres relacionados com clima superam qualquer tipo de catástrofe

Os desastres relacionados com as alterações climáticas superam em número e intensidade os causados por qualquer outro tipo de catástrofe, assinalaram hoje em Genebra instituições internacionais especializadas na questão.

O El Niño já provocou severas alterações meteorológicas, como inundações ou secas e alcançou o seu "pico" em novembro e dezembro de 2015. Uma dos países mais afetados tem sido Moçambique.

O El Niño já provocou severas alterações meteorológicas, como inundações ou secas e alcançou o seu "pico" em novembro e dezembro de 2015. Uma dos países mais afetados tem sido Moçambique.

© Eldson Chagara / Reuters

O ano de 2015 foi o mais quente desde meados do século XIX, quando começaram a registar-se as temperaturas, o que os especialistas relacionam com a existência de 32 secas graves, contra uma média anual de 15 no decénio anterior.

"Ultrapassamos o ano mais quente jamais registado, durante o qual 98,6 milhões de pessoas foram afetadas por desastres", disse o diretor do gabinete das Nações Unidas para a Redução do Risco de Catástrofes (UNISDR), Robert Glasser, ao apresentar aqueles dados à imprensa.

A China foi o país mais afetado por desastres o ano passado, com um total de 26, seguido dos Estados Unidos (22), da Índia (19), Filipinas (15) e Indonésia (11).

As secas foram o tipo de desastre que afetou maior número de pessoas, com um total de 50,5 milhões de vítimas, seguidas das inundações, com 27,5 milhões.

As tempestades -- intensificadas pelos distúrbios do clima devido ao aquecimento do planeta -- aparecem em terceiro lugar com 10,5 milhões de vítimas.

No entanto, de acordo com o Centro de Investigação sobre a Epidemiologia das Catástrofes (CRED), os desastres em 2015 causaram 22.773 mortos, uma redução considerável face à média anual dos 10 anos anteriores que foi de 76.424 vítimas mortais.

As mortes do ano passado registaram-se em 346 desastres, incluindo as 8.831 do terramoto no Nepal.

As temperaturas extremas, sobretudo as vagas de calor, incluem-se também nos desastres graves ocorridos em 2015.

"Vários países da Europa enfrentaram limites de calor com números significativos de vítimas mortais, sobretudo em França, enquanto a Índia e o Paquistão viveram vagas de calor que estão entre as mais graves dos últimos tempos", disse a diretora do CRED, Debarati Guha-Sapir, considerando que "a mortalidade devido às vagas de calor está muito subestimada".

Lusa

  • "Cada drama, cada problema, cada testemunho, impressiona muito"
    1:55
  • Clínica veterinária em Tondela recebeu dezenas de animais feridos nos fogos
    2:57

    País

    Tondela foi um dos municípios mais atingidos pelo incêndio, deixando dezenas de animais feridos e perdidos no concelho. Várias clínicas veterinárias são agora um porto de abrigo e, em alguns casos, um ponto de encontro. Muitos dos animais chegaram recolhidos por voluntários e a maior parte dos casos são animais que, no momento de aflição, foram soltos pelos donos e salvos pelo instituto de sobrevivência.

  • Temperaturas sobem até ao final do mês
    1:09

    País

    O tempo não dá tréguas e, até ao final do mês, as temperaturas vão atingir valores acima do normal para esta época do ano. As temperaturas máximas vão subir entre os 25 e os 32 graus. O risco de incêndio aumenta a partir desta segunda-feira em todo o país e os meios aéreos, viaturas, operacionais e equipas de patrulha vão ser reforçados.

  • Maioria das praias do Algarve já não tem nadador-salvador
    2:19

    País

    A lei não obrigada os concessionários a garantir o serviço e, por isso, a esmagadora maioria das praias do Algarve está sem vigilância desde 30 de setembro. Ainda assim, os areais vão atraindo milhares de banhistas com as temperaturas altas que ainda se fazem sentir. Um nadador-salvador recomenda os banhistas a não nadar e, em dias de ondulação, evitar caminhadas à beira-mar.

  • Parlamento catalão vai responder à ativação do artigo 155
    1:54
  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC

  • Quando o cão de Macron fez chichi no gabinete do Presidente francês
    0:31