sicnot

Perfil

Mundo

EUA e Rússia em Munique para conversações sobre a Síria

O chefe da diplomacia da Rússia, Serguei Lavrov, reúne-se hoje em Munique com o seu homólogo norte-americano John Kerry, para abordarem os progressos nas conversações de paz sobre a Síria, informou o seu gabinete.

© Eduardo Munoz / Reuters

O anúncio segue-se às conversações indiretas de quarta-feira em Genebra entre os protagonistas do conflito na Síria, num novo esforço para terminar com uma violenta guerra civil que desde 2011 já provocou mais de 260.000 mortos.

Os dois diplomatas encontram-se pela primeira vez desde o fracasso das conversações de paz sobre a Síria em Genebra e a ofensiva sobre Alepo desencadeada pelo regime de Damasco, apoiado pelo Irão e a aviação russa.

No decurso de um contacto telefónico na quarta-feira, Lavrov e Kerry "concordaram avaliar o progresso das conversações de Genebra durante o próximo encontro do Grupo internacional de apoio à Síria (ISSG) em 11 de fevereiro", refere o comunicado, mas sem referir o local do encontro.

Em paralelo, diplomatas de outros países envolvidos no conflito, com destaque para o Irão e Arábia Saudita, vão tentar relançar os esforços de cessar-fogo e a abertura de "corredores humanitários". Estão previstos encontros bilaterais durante a manhã, um encontro com todos os países presentes durante a tarde e por fim uma conferência de imprensa.

Washington e Moscovo são decisivos nas tentativas para terminar com o conflito sírio, incluindo neste fórum do ISSG que integra mais 17 países.

Os dois diplomatas também discutiram as conversações em curso em Genebra entre representantes do regime de Bashar al-Assad e representantes da oposição, que se encontram suspensas.

No início da semana, um adjunto de Lavrov tinha referido que Moscovo pretendia promover um encontro internacional sobre a Síria em Munique para hoje, e confirmado um "acordo de princípio" sobre o assunto entre diplomatas russos e norte-americanos.

A partir de sexta-feira e até domingo decorre ainda em Munique a conferência internacional sobre segurança.

Lusa

  • PS vai continuar a procurar entendimentos à esquerda
    1:38
  • Carlos César admite diálogo "mais fácil" com PSD de Rio
    1:36

    País

    O presidente e líder parlamentar do PSD diz que o partido não precisa de novos aliados, mas acredita que vai ser mais fácil dialogar com o PSD liderado por Rui Rio, Carlos César visitou esta segunda-feira as regiões afetadas pelos incêndios do ano passado, no primeiro dia das jornadas parlamentares dos socialistas.

  • 22 mortos devido a gripe H1N1 no Equador

    Mundo

    Uma epidemia de gripe H1N1 provocou a morte de 22 pessoas no Equador, onde estão diagnosticados perto de 500 casos, anunciou esta segunda-feira o vice-ministro da Saúde, Carlos Duran.

  • Benfica é o único clube português na lista dos mais ricos
    1:34
  • Papa pede perdão a vítimas de abusos por ter usado expressão "menos feliz"
    1:21

    Mundo

    No final da visita à América Latina, já no avião de regresso a Roma, o Papa Francisco pediu desculpa às vítimas de abusos sexuais no Chile. O líder da Igreja católica considerou que utilzou uma expressão menos "feliz" quando saiu em defesa do bispo Juan Barros, exigindo "provas" a quem o acusa de não ter agido.

  • Os três pontos de Ronaldo
    1:16
  • Decifrado pergaminho encontrado há 50 anos

    Mundo

    Investigadores israelitas reconstituíram e decifraram um dos dois manuscritos de pergaminhos do Mar Morto que nunca tinham sido interpretados desde que foram descobertos há meio século, anunciou a universidade israelita de Haifa.

  • Refeição de 1.100 euros em Veneza

    Mundo

    O centro de Veneza oferece os mais variados restaurantes. Com menu obrigatório, sem menu, com taxas, sem taxas, sentando ou em pé. Depois há aqueles restaurantes que cobram 1.100 euros por cinco pratos acompanhados por água. O caso aconteceu com quatro turistas japoneses, que depois de pagarem a conta, apresentaram queixa às autoridades. O presidente da Câmara da cidade italiana já disse que ia investigar a situação e, caso se confirmasse, prometeu que iria castigar os responsáveis.

    SIC