sicnot

Perfil

Mundo

Grupo armado que ocupava parque natural nos EUA vai entregar-se após 40 dias

Um grupo armado que um edifício público num parque natural em Oregon, Estados Unidos, aceitou abandonar hoje o local, ao fim de 40 dias, depois de o FBI cercar a zona e forçar uma negociação.

© Jim Urquhart / Reuters

Após horas de negociações, transmitidas em direto e seguidas por milhares de pessoas na Internet, as quatro pessoas que ainda ocupavam as instalações asseguraram que vão abandonar o refúgio desarmadas às 8:00 locais (16:00 em Lisboa).

A ocupação começou a 2 de janeiro, quando um grupo armado tomou um edifício da reserva natural de Malheur como forma de protesto e em apoio a dois homens condenados por realizarem queimadas num terreno rural do Governo sem autorização.

Ao grupo juntaram-se pessoas de todo o país, mas a 26 de janeiro o líder dos amotinados, Ammon Bundy, foi detido por agentes federais e pediu aos seus seguidores que abandonassem o local.

Segundo o jornal local The Oregonian, apenas quatro pessoas permanecem no parque e já não estão no edifico mas sim acampadas ao ar livre: David Fry, de Ohio, Jeff Banta, de Elko (Nevada), e o casal Sean e Sandy Anderson, de Riggins (Idaho).

Ao fim de horas de negociações, Sean Anderson anunciou que os quatro vão abandonar o local hoje se lhes permitirem encontrar-se com Michele Fiore, uma deputada do Nevada que há dois anos apoiou o pai de Bundy numa disputa com o Governo e se ofereceu para atuar como mediadora neste caso, e com o evangélico Franklin Graham.

"Não nos estamos a render, estamos a entregar-nos. Vai contra tudo o que acreditamos mas vamos fazê-lo", assegurou Sean Anderson, acrescentando que as armas serão deixadas nos seus veículos.

O FBI não confirmou, no entanto, que haja um acordo para que o grupo abandone o local.

Lusa

  • Partidos exigem explicações sobre transferências para offshores entre 2011 e 2014

    Economia

    O PS junta-se ao PCP, o Bloco de Esquerda e o PSD no pedido para a audição urgente do antigo e o atual secretário de Estado dos Assuntos Fiscais sobre a falta de controlo do Fisco às transferências de dinheiro para paraísos fiscais. Em causa está a transferência de 10 mil milhões de euros para offshores. O CSD é o único partido que ainda não se pronunciou.