sicnot

Perfil

Mundo

Publicidade com Neymar retirada de Meca

Cartazes publicitários com a fotografia do brasileiro Neymar, jogador de futebol da equipa espanhola do Barcelona, causaram polémica na cidade saudita de Meca, o que levou à retirada dos anúncios das ruas.

De acordo com o jornal Meca, a decisão foi tomada por considerar que essa publicidade violava "a santidade religiosa" da cidade, que é o epicentro da peregrinação muçulmana.

A cadeia norte-americana de restaurantes McDonald's retirou os anúncios com a foto do jogador do Barcelona depois de uma série de críticas surgirem nas redes sociais a dizer que a publicidade prejudicava o prestígio de Meca.

Num comunicado, o funcionário da câmara da cidade Ozman Mali disse que a empresa norte-americana foi informada sobre as observações feitas acerca do anúncio e sobre o que foi difundido nas redes sociais.

Acrescentou que se pedirá aos órgãos competentes para terem em conta essa situação no futuro, por respeito a Meca e pelos sentimentos dos muçulmanos.

Nem as autoridades e nem o Mcdonald's confirmaram se a medida está relacionada com os hábitos de Neymar no campo de futebol, em que mostra a sua religiosidade cristã.

Meca é a cidade santa mais importante do islão e milhões de pessoas passam por ela todos os anos, nomeadamente no período das grandes peregrinações.

Lusa

  • Todos os distritos sob Aviso Amarelo devido ao frio

    País

    O Instituto Português do Mar e da Atmosfera colocou Portugal continental sob Aviso Amarelo na quarta e na quinta-feira. Os termómetros vão estar abaixo de zero em todo o território, à exceção dos distritos de Lisboa, Porto e Faro.

  • Motim em prisão brasileira fez pelo menos 30 mortos
    1:09

    Mundo

    Um novo motim numa prisão brasileira fez pelo menos 30 mortos. A prisão, que é a maior do Estado do Rio Grande do Norte, tem capacidade para 600 reclusos mas acolhe quase o dobro. Após o motim de 14 horas, a polícia já tem o controlo total da prisão.

  • Aqui também se vive
    16:07
  • Austrália condena Japão por caça de baleias no Oceano Antártico

    Mundo

    O Governo da Austrália condenou hoje o Japão por retomar a caça de baleias no Oceano Antártico, após a divulgação de imagens de um cetáceo morto a bordo de um barco japonês que se encontrava em águas protegidas.O ministro do Ambiente, Josh Frydenberg, manifestou "profunda deceção", um dia depois de a organização Sea Shepherd divulgar fotografias e vídeos de uma baleia minke no barco japonês Nisshin Maru.