sicnot

Perfil

Mundo

Publicidade com Neymar retirada de Meca

Cartazes publicitários com a fotografia do brasileiro Neymar, jogador de futebol da equipa espanhola do Barcelona, causaram polémica na cidade saudita de Meca, o que levou à retirada dos anúncios das ruas.

De acordo com o jornal Meca, a decisão foi tomada por considerar que essa publicidade violava "a santidade religiosa" da cidade, que é o epicentro da peregrinação muçulmana.

A cadeia norte-americana de restaurantes McDonald's retirou os anúncios com a foto do jogador do Barcelona depois de uma série de críticas surgirem nas redes sociais a dizer que a publicidade prejudicava o prestígio de Meca.

Num comunicado, o funcionário da câmara da cidade Ozman Mali disse que a empresa norte-americana foi informada sobre as observações feitas acerca do anúncio e sobre o que foi difundido nas redes sociais.

Acrescentou que se pedirá aos órgãos competentes para terem em conta essa situação no futuro, por respeito a Meca e pelos sentimentos dos muçulmanos.

Nem as autoridades e nem o Mcdonald's confirmaram se a medida está relacionada com os hábitos de Neymar no campo de futebol, em que mostra a sua religiosidade cristã.

Meca é a cidade santa mais importante do islão e milhões de pessoas passam por ela todos os anos, nomeadamente no período das grandes peregrinações.

Lusa

  • Videoamador mostra grupo a atar tocha a um touro
    1:33
  • PJ investiga forma como o FC Porto obteve os e-mails
    1:58

    Desporto

    Enquanto o campeonato português de futebol está de férias do relvado, nos bastidores continua uma guerra aberta por causa dos e-mails. O FC Porto entregou à Polícia Judiciária toda a documentação disponível do chamado caso dos e-mails, que envolve o Benfica num alegado esquema de corrupção. O pedido foi feito pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ. A forma como o FC Porto obteve os e-mails também está a ser investigada pela Polícia Judiciária.

  • Manifestantes bloquearam Caracas

    Mundo

    Milhares de pessoas bloquearam esta sexta-feira as ruas de Caracas e de outras cidades, em protesto contra a repressão e o assassinato de manifestantes pelas forças de segurança.