sicnot

Perfil

Mundo

Avião MiG-23 do governo líbio reconhecido abatido em Bengazi

Um avião de combate MiG-23, do governo líbio reconhecido pela comunidade internacional, foi hoje abatido quando fazia ataques aéreos a posições da oposição, na cidade costeira de Bengazi, informou fonte militar.

O porta-voz das forças governamentais, Nasser el-Hassi, disse à agência noticiosa AFP que o aparelho foi "abatido em Qaryunes, a noroeste de Bengazi, quando bombardeava posições de uma coligação de milícias próxima da Al-Qaeda.

O Daesh reivindicou o abate do avião, segundo o SITE Intelligence Group, um sítio norte-americano que monitoriza a atividades destes grupos na internet.

Uma fonte militar adiantou que o piloto sobreviveu, tento o paraquedas funcionado, mas a sua localização é indeterminada.

Este foi o segundo avião abatido nesta semana.

Na segunda-feira, outro MiG-23 das forças do governo reconhecido caiu próxima da cidade oriental de Derna, depois de atacar posições do Daesh.

A agência noticiosa LANA, próxima do governo reconhecido, atribuiu a queda a "problemas técnicos".

Há dois governos que disputam o poder na Líbia, um baseado na capital, Tripoli, apoiado por uma coligação de milícias, e outro, reconhecido internacionalmente, instalado no leste.

No início de janeiro, outro MiG-23 caiu em Bengazi, a principal cidade da parte oriental do país.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.