sicnot

Perfil

Mundo

Congresso dos EUA aprova sanções mais duras contra a Coreia do Norte

O Congresso norte-americano aprovou hoje um endurecimento das sanções contra a Coreia do Norte, quase uma semana depois de Pyongyang ter anunciado a colocação de um satélite em órbita através do lançamento de um míssil de longo alcance.

Pyongyang anunciou há quase uma semana a colocação de um satélite em órbitra através do lançamento de um míssil de longo alcance.

Pyongyang anunciou há quase uma semana a colocação de um satélite em órbitra através do lançamento de um míssil de longo alcance.

© KYODO Kyodo / Reuters

As sanções foram aprovadas pela Câmara dos Representantes (câmara baixa do Congresso) quase por unanimidade: 408 votos favoráveis e dois votos contra.

O novo texto, proposto também em resposta ao teste nuclear com uma bomba de hidrogénio realizado pelos norte-coreanos a 06 de janeiro, endurece o regime das sanções norte-americanas, tornando obrigatórias medidas que eram anteriormente deixadas ao critério do Presidente norte-americano.

O documento prevê sanções a qualquer pessoa ou entidade que colabore com o regime de Pyongyang, nomeadamente na aquisição de bens, tecnologia, serviços ou atividades de aconselhamento relacionados com o fabrico de armas de destruição em massa, mas também que estejam relacionados com a prática de abusos dos Direitos Humanos.

Estas sanções incluem a apreensão de bens, a proibição de vistos e a recusa de contratos com o governo federal dos Estados Unidos.

Uma maioria de dois terços na Câmara dos Representantes era necessária para a aprovação deste novo texto, que os senadores adotaram por unanimidade na quarta-feira.

O diploma segue agora para a Casa Branca para ser assinado pelo Presidente Barack Obama.

Desde que iniciou os testes nucleares, em 2006, o regime norte-coreano tem sido alvo de várias sanções internacionais e norte-americanas. Medidas que seriam mantidas ou reforçadas ao longo dos últimos anos, uma vez que Pyongyang realizou outros testes em 2009 e 2013.

O presidente da comissão dos Assuntos Estrangeiros do Senado (câmara alta do Congresso), o republicano Bob Corker, reconheceu a hipótese de empresas chinesas virem a ser afetadas por estas novas medidas.

"O objetivo não é punir a China", afirmou Corker, em declarações à agência noticiosa francesa AFP.

"Mas, se existem entidades que ajudam , e nós sabemos que existem, elas serão punidas", afirmou o republicando, pedindo à administração Obama (democrata) para ser intransigente nesta matéria.

Lusa

  • Negócios do fogo
    22:00
  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.

  • "De repente ele estava em cima de mim a beijar-me e a apalpar-me"
    2:43