sicnot

Perfil

Mundo

Mais um confronto entre Clinton e Sanders, agora sobre a saúde

Os aspirantes a candidatos democratas nas presidenciais norte-americanas voltaram na quinta-feira a encontrar-se num debate em que entraram em confronto na saúde, com Hillary Clinton a acusar Bernie Sanders de fazer propostas irrealistas e dispendiosas.

© Jim Young / Reuters

No debate em Milwaukee, Wisconsin, dois dias após as primárias no New Hampshire que o senador ganhou, os aspirantes a candidatos nas presidenciais entraram em confronto ao discutir o sistema de saúde, com a antiga secretária de Estado a pôr em causa o plano de Sanders para um sistema de pagamento único, que o senador defende que vai poupar dinheiro aos contribuintes.

"Com base em todas as análises que consegui encontrar, elaboradas por pessoas com simpatia pelo objetivo, os números não batem certo e muitas pessoas vão ficar numa situação pior do que estão agora", disse.

Clinton afirmou também que os planos de Sanders vão fazer aumentar o tamanho do Governo federal em cerca de 40%.

"Temos uma obrigação especial de ser claros sobre aquilo que defendemos, e é por isso que acho que não devemos fazer promessas que não podemos cumprir", apontou, sugerindo que o seu opositor deseja desmantelar o sistema de saúde criado por Barack Obama.

Sanders respondeu: "Lutei a vida inteira para garantir que a assistência médica é um direito de todas as pessoas".

"Não vamos desmantelar nada", insistiu, explicando que as famílias de classe média pagariam mais 500 dólares em impostos, recebendo dez vezes esse valor através da redução dos custos dos cuidados de saúde.

Sanders e Clinton entraram também em conflito em relação à política migratória.

"Eu votei a favor de uma reforma migratória integral quando estava no Senado. O senador Sanders votou contra", apontou Clinton, ex-senadora por Nova Iorque.

Sanders respondeu recordando que grandes organizações latinas também se opuseram à reforma naquela altura já que esta não garantia as condições laborais dos imigrantes e podia levar a casos de exploração. O senador por Vermont pediu também a regularização da situação de 11 milhões de ilegais que se calcula residirem nos Estados Unidos.

O processo eleitoral para as Presidenciais norte-americanas deste ano arrancou a 01 de fevereiro no Iowa.

Hillary Clinton venceu Bernie Sanders na eleição de delegados do Partido Democrata do Iowa, mas por uma margem mínima, uma vez que obteve 49,86%, a muito pouca distância dos 49,57% do seu adversário político.

Seguiu-se a votação no New Hampshire, esta semana, que Senders ganhou com uma vantagem de vinte pontos percentuais.

Nesta fase das primárias, são eleitos os delegados às convenções nacionais do Partido Democrata e do Partido Republicano em que serão nomeados os candidatos dos dois lados nas eleições para a Presidência dos EUA.

Após uma verdadeira maratona eleitoral, a eleição do próximo Presidente dos Estados Unidos, o 45.º da história norte-americana e o sucessor de Barack Obama, está agendada para 08 de novembro deste ano.

Lusa

  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.